Arquivos do Blog

Dirigente russo diz que seu país aguarda que o Governo Maduro confirme encomenda dos caças Su-30

Por Roberto Lopes

Presente em Santiago do Chile para participar da FIDAE 2016, o subdiretor do Serviço Federal de Cooperação Técnica Militar da Rússia (FSVTS na sigla em russo), Anatoly Punchuk, cobrou do Governo Nicolás Maduro uma posição sobre a alardeada intenção de Caracas de comprar uma dúzia de caças Sukhoi Su-30.

“Fizemos as negociações correspondentes [ao assunto da possível venda das aeronaves] e apresentamos ao cliente a oferta [dos aviões]”, declarou Punchuk à agência de notícias RIA-Novosti, “Estamos à espera de que a parte venezuelana reaja”.

O plano de compra dos Su-30 foi anunciado pelo próprio presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, em setembro do ano passado, horas depois dele ter sido informado sobre a queda de um caça desse modelo, durante uma suposta perseguição, à noite, de um avião que fazia um voo ilícito sobre o espaço aéreo venezuelano. Os dois tripulantes da aeronave acidentada morreram instantaneamente.

As causas do acidente nunca foram divulgadas com clareza pelas autoridades venezuelanas, e o próprio governo deixou no ar a possibilidade de o jato ter sido derrubado.

A imprensa venezuelana, no entanto, levantou a hipótese de o caça ter caído devido a um fenômeno conhecido entre os aviadores como “desorientação espacial”.

K-8 – Entre 2006 e 2008 a Rússia forneceu 24 caças Su-30MK, de superioridade aérea, à Aviação venezuelana.

De acordo com Punchuk, “as aeronaves russas granjearam uma reputação excelente nas complicadas condições meteorológicas da Venezuela, cuja Aviação Militar as emprega, em particular, para combater o contrabando, o narcotráfico e as violações fronteiriças”.

A demora de Caracas em concretizar a compra dos novos aviões pode ser uma consequência direta das suas dificuldades em equacionar os pagamentos de material militar estrangeiro.

Em 2013 os venezuelanos adquiriram à indústria aeronáutica chinesa nove jatos subsônicos K-8, de treinamento avançado e ataque leve ao solo, avaliados, cada um, em cerca de 15 milhões de dólares.

A entrega dos aviões à frota aérea de Maduro estava prevista para acontecer entre o fim de 2014 e o fim de 2015, mas só recentemente (neste primeiro trimestre do ano) é que seis deles puderam ser recebidos. Os três restantes são prometidos para a metade final de 2016. Tudo se, até lá, Caracas continuar depositando os pagamentos referentes a esta operação comercial.

 

Fonte: Plano Brazil (Reprodução  autorizada)

Comando da Marinha americana está preocupado com ascensão marítima da Rússia e China

Submarino nuclear Vladimir Monomakh

Segundo o comandante da Frota do Pacífico norte-americana, almirante Harry Harris, a unidade sofre de falta de submarinos. Os pedidos do almirante para aumentar o número de submarinos estão sem resposta. Na reunião do Comitê para Forças Armadas do Senado norte-americano Harris expressou a sua preocupação sobre que o programa do Pentágono para modernizar a frota realiza-se de forma muito lenta que é não é suficiente para alcançar os oponentes da região Ásia-Pacífico.

“As preocupações mais sérias gera o fato de uma construção intensificada devido à qual a Rússia e a China podem aumentar o número de submarinos na região Ásia-Pacífico“, afirmou a revista.

Submarino indetectado
© FOTO: TWITTER/@JPHEI

No ano passado, a Rússia completou a construção de infraestruturas da base marítima na península de Kamchatka onde poderão ser baseados submarinos do tipo Borei. Até 2020 a frota russa será composto de 8 submarinos deste tipo.

O almirante Harris destacou também que a Rússia possui a segunda Marinha mais poderosa no mundo, depois dos EUA.

O plano de construção naval norte-americano faz difícil aumentar o número de submarinos em construção porque o plano prevê uma redução de submarinos militares de 52 a 41 até 2028, diz a Foreign Policy.

 

Fonte: Sputnik

Sukhoi Su-35 e PAK-FA (T-50) voando juntos

Su-35-e-PAK-FA

Na imagem vemos o Sukhoi Su-35 e PAK-FA (T-50) voando em formação, possívelmente testando o sistema de data-link, ao mesmo tempo a Rússia da um recado para OTAN de que seu avião de 5ª geração esta quase operacional, enquanto o F-35 ainda pode se arrastar por anos.

Putin cria bases para luta contra o terrorismo no mar

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, ordenou neste sábado a criação cinco bases de comando em cidades russas para enfrentar o terrorismo no mar e na plataforma continental do país.

Os portos de Murmansk (mar de Barents), Kaspiysk (mar Cáspio), Petropavlovsk Kamchatski e Yuzhno-Sajalinsk (ambos no Oceano Pacífico) e também Simferopol, a capital da anexada Crimeia (Mar Negro), sediarão as bases de comando operacional, segundo o decreto assinado hoje por Putin e divulgado pela imprensa russa.

As bases deverão organizar e planejar operações antiterroristas “nas águas territoriais, na zona econômica e na plataforma continental da Rússia”, assinala o documento.

Também será feito nestas bases o planejamento de operações antiterroristas em outros espaços marítimos “nos quais a Rússia exerce soberania, direitos soberanos e jurisdição”, e nas embarcações que navegam sob bandeira russa.

A aviação militar da Rússia, protegida por um reduzido grupo naval, realiza desde o fim de setembro uma operação de apoio aéreo à ofensiva terrestre do exército sírio contra diferentes organizações terroristas.

Fonte: Terra

Caças russos Su-27/30 ocupam o terceiro lugar em número de jatos de combate no mundo

Uganda_People's_Defence_Force_Air_Wing_Sukhoi_Su-30MK2_MTI-2
Su-30MK2 de Uganda

Há 943 aviões de combate da família Su-27/Su-30, que representam 6% do número total de aviões de combate

MOSCOU, 21 de dezembro / TASS. Os Sukhoi Su-27 da Rússia (Código OTAN: Flanker-B) / Su-30 (Flanker-C) estão em terceiro lugar entre as aeronaves mais usadas do mundo, de acordo com um relatório sobre as perspectivas do desenvolvimento global das forças aéreas, publicado pelo centro analítico Flight International nesta segunda-feira.

De acordo com o relatório, existem 943 aviões de combate da família Su-27/Su-30, que representam 6% do número total de aviões de combate da frota mundial.

F-16D da Força Aérea Grega
F-16D da Força Aérea Grega

O jato F-16 Fighting Falcon fabricado nos EUA foi classificado como o 1° colocado, com 2.264 aeronaves que compõem 16% da frota global. Em 2° lugar vem o avião de combate F-18 Hornet/Super Hornet, também fabricado nos EUA. Há 1.047 jatos F-18 de combate do mundo ou 7% do número total de aviões de combate operacionais globalmente.

F-15I

O jato F-15 Eagle detém a 4° posição, com 858 aviões do tipo atualmente operacionais, que representam 6%.

MiG-29 na Lituânia
MiG-29 na Lituânia

A classificação “Top-10” dos avião de combate mais populares do mundo abrange mais dois aviões de combate de fabricação russa e um avião de ataque. O Mikoyan MiG-29 (Fulcrum) foi classificado como o 5° colocado, com 819 aeronaves deste tipo totalizando 6%.

MiG-21_Bulgarian_Air_Force
MiG-21 da Bulgária

O avião de combate MiG-21 (Fishbed) está em 6° lugar, com 551 MiG-21 ainda operacionais em vários países, formando 4% do número total de aviões de combate.

Russian_Sukhoi_Su-25_at_Latakia
Su-25 da Rússia

A aeronave de ataque Su-25 (Frogfoot) está em 7° lugar, com 503 aviões deste tipo compreendendo 3% do número do total.

Q-5C-Fantan
Q-5C-Fantan

Aeronaves de fabricação chinesa ocupam os 8°, 9° e 10° lugares na classificação “Top-10”.
O avião de combate chinês F-5 (Q-5) está em 8° lugar, com 482 aeronaves formando 3% do número total de aviões de combate do mundo.

Chengdu F-7, de Myanmar
Chengdu F-7, de Myanmar

Em 9° lugar vem o avião de combate F-7, com 459 aviões deste tipo em operação no mundo, perfazendo 3% do número total.

J-7G chinês
J-7G chinês

O avião de caça J-7 foi classificado como 10° colocado na classificação, com 418 aeronaves deste tipo compreendendo 3% do total.

Um total de 6.208 aeronaves de outros tipos operam com as forças aéreas de outros países, o que compreende 43% do número total de aviões de combate do mundo.
No final de 2015, existem 14.552 aviões de combate operacionais nas forças armadas em todo o mundo.

FONTE: TASS ( Esta matéria foi retirada do Site Poder Aéreo, para vê-la na integra ou acessar outras matérias do site clique aqui)

Rússia saiu fortalecida após incidente militar com a Turquia

A Rússia saiu-se vitoriosa do conflito que se iniciou como resultado da negligência das ações da Turquia, terminando com prejuízos para este país, Pentágono, OTAN, e, claro, o grupo Daesh (Estado Islâmico). É o que foi publicado pelo jornal iraniano Shargh Iran.

 

Participantes do protesto após o abate do Su-24 empunham um cartaz em frente do edifício da embaixada da Turquia em Moscou, 25 de novembro de 2015

O incidente com o avião russo Su-24, abatido pela aviação turca na Síria, provocou uma séria deterioração das relações entre a Rússia e Turquia. O caso foi tachado de “um golpe nas costas” pelo presidente russo Vladimir Putin e levantou sérias denúncias sobre o suposto envolvimento do presidente turco Erdogan no comércio ilegal de petróleo promovido pelo grupo terrorista Daesh (Estado Islâmico) na Síria.

“Após os ataques da Força Aérea da Turquia contra o caça russo, todos os olhos ficaram voltados na direção da Rússia e sua possível resposta militar. Alguns analistas falaram sobre o poder de combate da Turquia e os outros começaram a especular sobre quem, em última análise, seria o vencedor desta disputa, esperando novas ações por parte da Rússia. No entanto, poucos perceberam que o vencedor foi determinado já no primeiro dia do incidente. E este foi a Rússia”, escreveu o colunista Vandad Alvandipoor ao Shargh Iran.

O autor lembra, em primeiro lugar, que dois dias depois do ataque da Turquia ao caça da Força Aérea da Rússia, Moscou bombardeou e destruiu pelo menos 20 caminhões que entraram na Síria a partir do território da Turquia, e, como resultado deste ataque matou sete motoristas turcos, mostrando que a Rússia tomou uma significativa ação militar em resposta.Além disso, algumas horas após o ataque contra o seu caça, a Rússia decidiu fornecer à Síria o sistema de defesa de mísseis S-300, o que protege o país de qualquer ameaça potencial que surgiriam nas imediações de seus combatentes.

“Em outras palavras, por causa das ações imprudentes da Turquia, a Rússia está agora, não só entregando à Síria o mais recente sistema anti-aeronaves e expandindo sua frota no país, mas também dizendo às suas contrapartes, ou seja, a Turquia, os EUA e seus aliados na OTAN, a nova regra em caso de ameaça: se continuar a interferência das ações da Rússia na Síria, isto vai ter uma resposta imediata”, argumentou o colunista.

Fonte: Sputnik News

Aviões russos ocasionalmente violam espaço aéreo de Israel

Su-34 - foto 3 Sukhoi

O site israelense Globes noticiou na semana passada que aeronaves russas ocasionalmente violam o espaço aéreo de Israel, mas isto não é motivo de alarde. Segundo Amos Gilad, alto funcionário do Ministério da Defesa de Israel, o país possui acordos com a Rússia sobre a Síria.

Um Sukhoi Su-24 russo abatido pela Turquia na semana passada causou uma grave crise diplomática entre os dois países. Israel, no entanto, dificilmente encontrará tais dificuldades diplomáticas com a Rússia. Gilad revelou que a coordenação militar entre a Rússia e Israel aumentou nas últimas semanas.

“Pilotos russos ocasionalmente cruzam o espaço aéreo israelense”, disse Gilad “mas devido à excelente coordenação que começou com o encontro de Netanyahu com Putin, as Forças de Defesa de Israel e os militares russos chegaram a um acordo sobre medidas de segurança. Se houver um incidente em que os russos entram em nosso espaço aéreo, nós saberemos o que fazer e como prevenir incidentes e sua escalada de tensões”.

Amos continuou, “Erdogan tem todos os motivos para lamentar o míssil que derrubou o avião de caça russo.”

FONTE: Globes (tradução e adaptação do Poder Aéreo a partir do original em inglês)

%d blogueiros gostam disto: