5 FATOS QUE COMPROVAM A INSANIDADE DO PROGRAMA ESPACIAL SOVIÉTICO

capa1

Cachorros no espaço, cosmonautas perdidos, armas , queimas de arquivo e astronautas morrendo. Seja bem-vindo ao inferno chamado: Programa Espacial Soviético.

Se hoje o programa espacial soviético é conhecido por ter colocado o primeiro homem e o primeiro satélite no espaço, pouco se sabe sobre o que aconteceu além dos sucessos oficialmente anunciados pelo governo. A repressão e a censura eram comuns no período soviético e as informações dificilmente chegavam ao Ocidente – principalmente tratando-se de fracassos, mortes ou fatos bizarros que ocorreressem durante os lançamentos ou aterrizagens dos foguetes.

Separamos 5 fatos confirmados ou especulados – com fortes evidências – que demonstram as loucuras do programa espacial soviético. É bom lembrar que muitos documentos do período foram destruídos e as informações disponíveis hoje podem ser somente uma fração daquilo que os astronautas testemunharam.

Cães astronautas

ws_Space_dog_1600x1200

Ainda na década de 1950, os soviéticos não tinham muitas certezas sobre a possibilidade de um organismo sobreviver ao lançamento de um foguete ou permanecer vivo nas condições inóspitas do espaço. Como câmaras de pressão ainda não haviam sido inventadas, os generais tiveram a “excelente” ideia de mandar cães ao espaço.

As missões com animais, porém, não levavam em conta a possibilidade dos animais retornarem à Terra vivos. Um dos casos mais conhecidos foi a cadela Laika, que partiu em 1957. Uma grande propaganda foi montada em torno da missão – a Sputink 2 – e selos comemorativos estampando o animal com um fundo espacial chegaram a ser lançados. No discurso oficial, o governo afirmava que, uma vez no espaço, o animal morreria lentamente e sem sofrimentos, enquanto comia uma ração envenenada e o oxigênio da cápsula se tornaria cada vez mais escasso.

Mas a real causa da morte de Laika só seria divulgada em 2002: ao aproximar-se da órbita terrestre, as temperaturas na cápsula chegaram a bater os 40°C, graças à falta de preparo dos engenheiros e uma falha no sistema térmico, que impediu o controle de temperatura do módulo. Para piorar, os indicadores dos sinais vitais do animal mostravam que seus batimentos cardíacos estava além do normal – a pobre cadela estava sofrendo de estresse.

Nesse ambiente inóspito, Laika resistiu apenas 7 horas antes de falecer.

Astronautas perdidos no espaço

lost in space

Não foram sós os cães que sofreram com o descaso dos engenheiros soviéticos. Os rumores sobre cosmonautas que teriam sido deixados para morrerem no espaço começaram em 1959, quando Hermann Oberth, um cientista da NASA, afirmou que conhecia a história de um grupo de pelo menos 4 astronautas que teria sido deixados para morrer numa missão. As alegações de Oberth caíram em descrédito pela falta de evidências apresentadas.

A história só começou a ganhar forma quando, em 1961, dois italianos entusiastas de rádios amadores começaram a interceptar sinais de comunicação do programa espacial soviético. Em uma das conversas, era possível ouvir uma mulher russa aterrorizada gritando sobre as altas temperaturas dentro de seu módulo.

“Eu me sinto queimando, eu sinto calor, é isso. Está tudo quente. Eu vejo uma chama! Eu posso ver uma chama!”, dizia.

Outras palavras vindas de um possível módulo espacial suplicavam.

“As condições estão piorando. Por que vocês não respondem? (…) A velocidade está diminuindo (…) o mundo nunca saberá sobre nós.”

Junto com as conversas, os irmãos também captaram sinais de SOS em código morse, que ficavam cada vez mais fracos, sugerindo que a espaçonave estaria se distanciando da Terra.

1961-cosmonaut

Apesar das alegações nunca terem sido confirmadas oficialmente, diversos astronautas da época foram posteriormente removidos de algumas fotos do programa espacial, contribuindo para o mistério em torno do caso.

Voskhod 1 e 2

9757195_1

Na corrida espacial contra os Estados Unidos, a União Soviética já mostrava sinais de atraso em 1964. Enquanto a NASA já havia colocado mais de uma pessoa em órbita num mesmo foguete, os russos ainda não possuíam nenhuma espaçonave com capacidade para mais de uma pessoa.

Foi aí que entrou o projeto Voskhod, feito às pressas com adaptações de última hora na cápsula Vostok, a mesma que levou Yuri Gagarin ao espaço. As adaptações não foram muito bem planejadas e logo que os astronautas entraram em órbita, os problemas começaram a surgir.

O astronauta Alexei Leonov, designado para a missão de ser o primeiro homem a “andar” no espaço, experimentou problemas logo após sair do módulo: seu traje começou a inflar rapidamente, impedindo que ele voltasse para dentro da nave. Para piorar, o oxigênio em seu corpo começou a formar bolhas, devido às baixas pressões, enquanto Leonov suava incessantemente e sofria com a insolação.

Quando finalmente conseguiu retornar para dentro do módulo – após liberar um pouco do ar de dentro de seu traje – outros problemas começaram a aparecer: a pressão do oxigênio dentro da nave subiu, aumentando as chances de um incêndio. Como a cabine era uma adaptação de um módulo com espaço para apenas um tripulante, o espaço era apertado e dificultava a operação dos comandos de controle da cápsula, dificultando o retorno para o solo.

Na volta para a Terra, mais problemas: os mecanismos de pouso falharam durante a descida e deixaram os tripulantes sem controle sobre a espaçonave, que pousou numa floresta nos Montes Urais, longe de qualquer vila ou cidade e em meio a ursos e lobos. O resgate só veio três dias depois, com esquiadores enviados pelo governo.

O astronauta que embarcou sabendo que iria morrer

The remains of astronaut Vladimir Komarov, a man who fell from space, 1967 (1)

Os restos de Vladimir Komarov.

O ano era 1967 e a primeira missão tripulada do programa Soyuz estava prestes a acontecer. A espaçonave, porém, apresentava diversos problemas: Yuri Gagarin e seu time encontraram pelo menos 203 falhas estruturais no módulo, o que tornava a missão extremamente arriscada. O problema era que o voo já estava agendado para comemorar o 50º aniversário da Revolução Russa e nenhum astronauta tinha coragem suficiente para peitar as ordens de Brejnev.

Nessa época, Gagarin já era tido como um herói russo e estava cotado para assumir o voo. Porém, um velho amigo de Gagarin, Vladimir Komarov, não conseguia aceitar que seu amigo fosse morrer numa missão espacial e se voluntariou para realizar o voo no lugar de Gagarin.

Assim, na madrugada de 23 de Abril de 1967, Komarov entrou no módulo Soyuz 1 e partiu rumo aos céus – literalmente. Poucos minutos após chegar na órbita terrestre, os painéis solares emperraram e deixaram a cápsula sem energia. Para piorar, os sistemas de estabilização manual também começaram a dar sinais de falha e a missão foi abortada, com Komarov recebendo ordens para pousar de volta no planeta.

O piloto iniciou os procedimentos de pouso, mas um outro problema atingiu a nave: os paraquedas se emaranharam e a Soyuz começou a ganhar velocidade enquanto caía. Suas últimas palavras foram gritos de terror e desespero;

“A temperatura está subindo muito”, dizia, enquanto acusava os engenheiros soviéticos de serem os responsáveis por matá-lo ao não assegurarem todas as medidas de segurança do módulo.

Astronautas armados

1600x1200_10607_Sci_fi_gun_3d_sci_fi_gun_weapon_picture_image_digital_art

Os soviéticos aprenderam com a experiência de Voskhod e, alguns anos depois, passaram a incluirarmas nos kits de emergência do programa Soyuz. O propósito das armas não era para defesa no caso de um ataque alienígena, mas sim, para auxiliar na sobrevivência dos tripulantes no caso de uma aterrizagem em um local inóspito – como ocorreu com a Voskhod. Porem também poderia servir para o suicídio caso a nave se perdesse no espaço.

As armas enviadas eram do modelo TOZ 82, capazes de funcionarem com munição de rifles e de espingardas e foram muito bem avaliadas pelos soldados que as testaram, que descreveram o armamento como capaz de atingir com precisão alvos com mais de 20 metros de distância.

Até hoje as armas constam na lista de itens a serem enviados ao espaço durante as missões Soyuz, porém, antes do voo é realizada uma votação, onde os responsáveis pelo lançamento do foguete decidem se a arma partirá ou não junto com os astronautas.

AS INTERCEPTAÇÕES DOS COSMONAUTAS PERDIDOS

No total, os irmãos Judica-Cordiglia lançaram nove gravações ao longo de um período de quatro anos. Os detalhes foram os seguintes:

  • Em maio de 1960, uma nave espacial tripulada relata que está saindo do curso.
  • No dia 28 de novembro de 1960, o fraco sinal de SOS em Código Morse é enviado a partir de outra nave espacial que parecia ter problemas de trajetória e saiu da órbita da Terra.
  • Em fevereiro de 1961 um cosmonauta foi claramente audível e registrado, sufocando até a morte.
  • Em abril de 1961, uma cápsula foi gravada. Ela teria feito três órbitas completas ao redor da Terra antes de reentrar na atmosfera, poucos dias antes de Yuri Gagarin fazer o seu vôo histórico. (suspeita-se que o astronauta voltou, mas já estava morto na capsula quando ela foi aberta)
  • Em maio de 1961, uma nave espacial em órbita faz um apelo desesperado por ajuda e depois sai de controle.
  • Na gravação de outubro de 1961, um cosmonauta perde o controle de sua nave espacial, que sai de órbita, mergulhando no espaço profundo.
  • Em novembro de 1962 uma cápsula espacial calcula mal a reentrada, saindo da atmosfera e se perdendo no espaço.
  • Na gravação de novembro de 1963, o que parece ser uma cosmonauta mulher, morre durante a reentrada.
  • Em abril de 1964, um outro cosmonauta é morto quando sua cápsula derrete ao entrar muito inclinada na atmosfera da Terra.

 

Publicado em 01/06/2015, em Notícias e marcado como , , , , , , , . Adicione o link aos favoritos. 4 Comentários.

  1. Se a materia acima em grande parte não pode ser comprovada é boato então não se pode dar muito credito a ela, pode ter acontecido até muito mais problemas e mortes inclusive no programa espacial americano tambem mas eles como os soviéticos não fariam propaganda de fracassos o que não podemos fazer é querer diminuir o sucesso dos soviéticos porque até hoje eles são pioneiros em varios avanços tecnológicos se até a estaçao espacial que hoje orbita a terra não seria construida sem a ajuda deles fato que foi divulgado no programa 60 minutos, os EUA tinham desistido da construção da estação e só se dispos a construi-la quando a Russia fez uma proposta de construir uma estação menor e pediu 6 bilhões de dolares a Agencia Espacial Européia para a construção da mesma, o Módulo de Sobrevivencia que é o principal foi construido pela Russia e as peças mais pesadas só poderiam chegar ao espaço pelos foguetes Russos, hoje os EUA usam motores russos nos seus foguetes.

    Curtir

  2. Learce Glória

    O posicionamento anti-sovietico é mais que evidentende……em contra partida o Programa Espacial Americano foi o maior sucesso. Nunca morreu ninguém, nunca nenhuma nave caiu, nunca nenhum onibus espacial explodiu e nunca tiveram que pegar carona com os russos….kkkk

    Curtir

  3. Em tudo isso pode haver 50% de verdades, mas também muita critica infundada. Sempre que a raça humana existe, só se conta vantagens e nunca o insucesso. Ate agora estamos esperando ver as Armas de destruição do Iraque tão decantada pela CIA.

    Onde esta o 1º avião que desapareceu depois que o Talibã se apossou dos Equipamentos de Controle dos DRONES Americanos? Onde esta o cadáver ou local do enterro do Terrorista BIM LADEM. Quem que apos entrar dentro da casa do terrorista teria assassinado o mesmo, ja vélho e senil incapaz.

    Com toda certeza esta como troféu dentro de uma prisão Americana e Incomunicável, talvez sendo torturado como sadismo típico dos déspotas vencedores dos conflitos.

    Curtir

  4. eadem@ig.com.br

    Quem escreveu isto só pode ser um fanático americanista ou um noticiarista mau-intencionado pago pela CIA e os sionistas que comandam os EUA dos bastidores da suja políticalha norte-americana.

    Claro que houve falhas no imenso programa espacial soviético, mas ele não foi pior e nem menos seguro que seu congênere norte-americano realizado pelos incapazes aventureiros e mercenários da NASA.

    É só lembrar dos inúmeros fracassos dos EUA antes de lançarem seu primeiro satélite (que só subiu porque o bom nazista von Braum ensinou os macacos dos EUA a fazerem um míssil Jupter-C que lançou o primeiro Explorer muito depois que os russos lançaram dois ou três Sputniks); dos inúmeros aviadores e astronautas explodidos ou incinerados em diversas naves e aviões experimentais e é claro, dos “seguros” e badalados ônibus espaciais que explodem vez por outra após acionados, ou que se derretem no espaço junto com suas tripulações.

    Por fim, lembremo-nos de que na atualidade, os mísseis mais confiáveis porque são os mais potentes, precisos, de maior raio-de-ação e com maior capacidade de carga são os dos russos (ex-soviéticos) e tanto são, que são eles que lançam os satélites e naves de manutenção da própria NASA.

    Detalhe: A custos muito mais baixos do que da incompetente agência norte-americana.

    Isto é incontestável e qualquer um basta ler os jornais para comprovar o que escrevo isento de qualquer outro interesse que não seja… A VERDADE HISTÓRICA!

    Curtir

Esse espaço é para debate de assuntos relacionados ao Blog, fique á vontade para comentar!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: