Arquivos do Blog

Exército ocupa área de garimpo em MT

garimpoexercito.jpg

A vigilância da ‘Serra da Borda’, em Pontes e Lacerda (480 km de Cuiabá), que vinha sendo explorada ilegalmente por milhares de garimpeiros, já está sob a responsabilidade de homens do Exército e da Força Nacional, do Governo Federal.

Ao meio dia desta quarta-feira (20), o comandante do 12º CR, coronel Alberto Neves, deu por encerrada a ‘Operação Serra da Borda II’ e oficializou a transferência em um ato simbólico que reuniu as forças policiais empregadas na desocupação e as que assumiram a tarefa de prevenir novas ocupações.

De acordo com o coronel Alberto, grande parte do reforço policial deslocado para Pontes e Lacerda para atuar na desintrusão do garimpo está retornando para suas unidades de origem, em Cuiabá e outras cidades do Estado. Um grupo permanecerá na cidade reforçando o policiamento na área urbana para garantia da ordem pública.

O comandante do 12º CR agradeceu ao empenho dos policiais em mais uma operação de retomara da área do garimpo ilegal. Nessa segunda versão, a ‘Serra da Borda II’ mobilizou cerca de 400 policiais entre militares, civis, agentes da PF e patrulheiros da PRF, mais de 50 viaturas por terra e uma equipe aérea com helicóptero do Ciopaer.   

 

Fonte: FolhaMax

Simulação de Guerra entre Brasil e Argentina

Por Francisco Santos

O Guerra & Armas trás para seus leitores este novo projeto que visa atender aos leitores das nossas simulações, o G&A é hoje reconhecidamente o maior, se não o único blog a criar simulações de conflitos fictícios entre países, usando sempre elementos e tensões políticas reais, mas algumas vezes também usando elementos de ficção como é o caso desta simulação que esta sendo publicada hoje. Em 2013  já tinhamos publicado a simulação: Guerra entre Brasil e Argentina (clique aqui para ler), mas a pedido dos leitores estou criando uma nova versão mais realista com os atuais armamentos de ambos os países e considerando a compra dos Gripen NG do Brasil e uma possível, porém ainda não confirmada compra de caças JF-17 de fabricação sino-paquistanês.

A desconfiança…
 
O Brasil de modo geral assim como nossos militares sempre esteve em uma espécie de ”Guerra Fria” com a Argentina, ou seja, sempre  desconfiamos e rivalizamos com os argentinos, ate poucos anos brigávamos pela hegemonia no hemisfério Sul das Américas, porém o Brasil se deu melhor nessa ”Guerra Fria” e se tornou majoritariamente o país mais poderoso do Hemisfério Sul do continente e ate mesmo de toda a América Latina.
Nossas forças armadas são relativamente superior em tecnologia aos demais países  da América Latina, que são em sua grande maioria, forças armadas modestas e com pouco investimento de seus governos devido a dificuldades financeiras e falta de inimigos externos que justifiquem gastos com defesa,as forças armadas do Brasil se diferenciam pelo fato de ser a única nação com indústria bélica capaz de fornecer a suas forças armadas equipamentos de ponta, dando relativa independência em algumas áreas, como é o caso de armas, munições, aviação, marinha, artilharia de costa e de saturação (astros II/2020) entre outros…
A simulação abaixo utiliza nomes de políticos e personagens fictícios e não tem relação com a realidade. A matéria será dividida em várias partes, que serão postadas em sequência, a história é meramente fantasiosa é claro, mas por que não deixarmos a imaginação correr solta?

Após a turbulência…

 
 
 
Janeiro de 2017 – O Presidente Sebastião  Oliveira, que assumiu o governo como presidente de transição após a crise que levou ao impeachment da ex-presidente Dina Sabino por corrupção, se reuniu em Brasília com os comandantes militares de todas as regiões do país para discutir o controle das fronteiras brasileiras, com base no recente aumento da criminalidade na cidade do Rio de Janeiro e São Paulo que forçaram a intervenção das Forças Armadas para auxiliar as policias de ambos os estados no combate a grupos de traficantes que utilizam de fuzis de fabricação americana a foguetes anti-tanques de fabricação russa.
O presidente que assumiu em meio a maior crise política dos últimos 30 anos, se vê diante de um impasse, sob forte pressão dos EUA e da União Europeia para que o país solucione a crise e estabeleça um Estado de Direito pleno para seus cidadãos  ao mesmo tempo em que a economia se encontra em plena queda após a  política econômica desastrosa fruto  de 12 anos de governo de esquerda, Sebastião Oliveira, que se elegeu como político da direita é forçado a gastar bilhões na restruturação das forças armadas para frear a entrada de armas e drogas na fronteira para evitar sanções internacionais e ao mesmo tempo  tem que cortar gastos da máquina pública.
Após o encontro, o Ministro da defesa, General Machado Filho, o primeiro militar a comandar a pasta depois de vários ministros civis que comandaram o ministério através de favores políticos sem o minimo conhecimento sobre defesa, anunciou o lançamento do ”Plano Fênix” que consiste no reaparelhamento das forças armadas do Brasil em um prazo recorde de 20 anos, ao todo serão liberados cerca de 120 bilhões de Reais para aquisição de maios de combate e modernização dos já existentes.
O Ministro da Defesa informou que o país irá solicitar aos EUA um plano de financiamento geral, o mesmo utilizado durante os anos 60 na parceria EUA-Brasil de aproximadamente 50 bilhões de dólares que serão pagos em parcelas e quitadas ate 2030. 
Segundo especialistas este movimento do presidente Oliveira, rompe definitivamente com o projeto do Fórum de São Paulo que visava propagar o esquerdismo e sua doutrina por toda a América Latina, com este movimento o Brasil volta a ser o principal parceiro estratégico dos EUA em todo o hemisfério sul, além de dar ao país o status de aliado militar dos americanos, o que por si só já  é um fato de dissuasão.

Enquanto isso na Argentina…

 
 
 
O presidente da Argentina, José Domingues, que ao final de 2015 implementou profundas mudanças econômicas no país portenho ao suceder a ex-presidente Cristiane Kindler, anuncia a compra de 50 caças JF-17 de fabricação sino-paquistanesa para reequipar a Força Aérea do país que sofria com um severo regime de obsolência em rasão dos constantes cortes orçamentários implantados por governos anteriores devido as fortes crises econômicas que o país sofria constantemente ate ser estabilizado por Domingues, que investiu na indústria, tirou milhões da pobreza, pagou as dividas do país com os credores internacionais e viu seu país crescer a taxas de 8,5 % enquanto o Brasil estava estagnado nos 0,3 p.p ao ano.
Serão 50 aeronaves fabricadas na China, as aeronaves deverão ser entregues em um prazo máximo de 2 anos, isto mesmo você não leu errado, a China se comprometeu a entregar 25 aeronaves por ano, e isto é possível graças ao imenso polo industrial chinês com várias fábricas podendo produzir vários aviões ao mesmo tempo. Além dos 50 aviões a Argentina também comprará mais 150 unidades que serão construídas pela Fabrica Argentina de Aviões em solo portenho, a exemplo do que o Brasil esta fazendo com os Gripen NG.
Inglaterra critica a China…
Após o anuncio da venda de 200 aviões a Argentina feito pela China e a própria Argentina, a Inglaterra condenou a venda alegando que o país possui pretensões bélicas ao se armar, ou seja, pretende reaver as Malvinas por meio da força. Ainda de acordo com o governo inglês a China só contribui para o agravamento da relação entre a Inglaterra e a Argentina que busca uma alternativa que leve em conta os moradores das ilhas.
Países sul-americanos fazem dura crítica ao Brasil…


Um dia após o anúncio feito pelo Brasil sobre o investimento de 120 bilhões de reais em defesa para reequipar suas forças armadas, a Argentina criticou duramente o presidente Sebastião Oliveira, em um discurso acalorado na Casa Rosada em Buenos Aires, José Domingues, presidente da Argentina, acusou Oliveira de estar provocando uma corrida armamentista em um cenário desfavorável ao Brasil, já que o país não cresce a pelo menos 2 anos. Aproveitando-se da ocasião, o presidente usou o discurso para salientar os ganhos econômicos e triunfos de seu governo na área econômica e social do país em um claro discurso populista.
Já a Bolívia e a Venezuela que são atualmente governados por esquerdistas chamaram Oliveira, de Lacaio dos americanos e ameaçaram cortar relações diplomáticas com o país caso o Brasil se militarize através de equipamentos americanos, em discurso acalorado o líder chavista venezuelano Javier Palaço, denunciou o que chamou de “invasão americana por meio do Brasil”, segundo ele os EUA financiaram a campanha de Sebastião Oliveira, e a CIA segundo ele orquestrou as falsas denúncias que levaram a queda da presidente Dina por corrupção.
O presidente da Bolívia Ramon Galdero disse a imprensa boliviana que o fato de o Brasil se armar ainda mais, demonstra uma atitude de agressão clara e declarou que poderá cortar o fornecimento de gás natural ao Brasil caso se sinta ameaçada em suas fronteiras.

Não vamos tolerar ameaças…

 
Após o discurso agressivo do presidente argentino, José Domingues e de seus pares da Venezuela e Bolívia, o presidente Sebastião Oliveira endureceu o tom em uma entrevista nunca antes vista no país, na sala de imprensa do palácio do Planalto em Brasília, estavam ao lado do presidente:
 
  • Evaristo Silva: General-de-Exército e comandante do Exército Brasileiro
  • Carlos Simões: Tenente-Brigadeiro da Força Aérea e Comandante da Força Aérea Brasileira
  • Tiago Fonseca: Almirante-de-esquadra da Marinha e Comandante da Marinha do Brasil

Todos com uniformes impecáveis e rodeados de outros oficiais davam o tom da entrevista, em um discurso nacionalista visto antes apenas na década de 40 quando Getúlio Vargas fazia discursos em tempos de guerra, uma oratória firme e direta, mandando a mensagem de que o país não aceitará ameaças, principalmente do presidente argentino, Domingues.

Após o discurso o presidente Oliveira, chamou o embaixador da Argentina no Brasil para dar explicações ao presidente sobre as ameaças e tom belicista usado pelo chefe de estado argentino.
Continua… (Um novo texto será publicado sempre ao final de cada semana)
Obs: Ainda esta semana seguimos com a continuação da Simulação: Guerra entre Brasil e Venezuela.

Exército Brasileiro contra o Zika Vírus

Este slideshow necessita de JavaScript.

Brasília (DF) – Devido à sua capilaridade, à flexibilidade que lhe permite atuar em diferentes ambientes e à prontidão para dar resposta imediata às demandas, o Exército Brasileiro está participando da campanha de combate ao mosquito Aedes aegypti.

Após a capacitação realizada por especialistas, militares estão nas ruas, desde o início de dezembro, atuando com sua “Mão Amiga” em prol da sociedade, orientando a população, identificando e eliminando possíveis locais de proliferação do mosquito e apoiando o trabalho de agentes de saúde.

Abaixo é possível ver, por Estado da Federação, as atividades já concretizadas e algumas que ainda estão em andamento, com atualização até o dia 5 de fevereiro.

 

Pernambuco:

Com um efetivo total de 531 militares envolvidos, a chamada Operação Água Limpa tem por objetivo cooperar com o Governo Estadual, o Ministério da Integração e o Ministério da Saúde no combate ao mosquito transmissor do zika vírus, da dengue e da febrechikungunya. As atividades tiveram início em 7 de dezembro e não têm previsão de término. Atuam na missão o 4º Batalhão de Comunicações, o 4º Batalhão de Polícia do Exército, o 14º Batalhão de Infantaria Motorizado, o 7º Grupo de Artilharia de Campanha, a 10ª Companhia de Engenharia de Combate e o 71º Batalhão de Infantaria Motorizado.

 

Espírito Santo:

A Operação Espírito Santo tem o mesmo objetivo da Operação Água Limpa. As atividades realizadas pelo 38º Batalhão de Infantaria envolveram, até o momento, 20 militares e estão ocorrendo desde o dia 8 de dezembro, também sem previsão de encerramento.

 

Mato Grosso do Sul:

Nesse Estado, as atividades estão sendo desencadeadas, desde 8 de dezembro, em duas cidades: na Capital (Campo Grande) e em Coxim. Sob a coordenação do Comando Militar do Oeste, têm por objetivo apoiar a Prefeitura Municipal nas ações de combate aos focos do mosquito Aedes aegypiti. Na Capital, 62 militares estão empenhados; já em Coxim, 34 militares atuam contra o mosquito, com previsão de encerrar os trabalhos em 18 de fevereiro.

 

Rio Grande do Sul:

Com o objetivo de apoiar a Defesa Civil e o município de Santa Rosa (RS) no combate ao mosquito Aedes aegypiti, as ações foram divididas em duas etapas: a primeira de 21 a 23 de dezembro e a segunda de 28 a 30 de dezembro. Ao todo foram empregados 155 militares da 3ª Divisão de Exército, da 1ª Brigada de Cavalaria Mecanizada e do 19º Regimento de Cavalaria Mecanizado.

 

Acre:

A Operação de Apoio às Ações de Combate ao Mosquito Aedes aegypiti, no Acre, tem como objetivo colaborar com a Secretaria Municipal de Saúde de Rio Branco no combate ao mosquito. A cargo do 4º Batalhão de Infantaria de Selva, iniciou em 21 de dezembro e tem previsão de acabar em 31 de janeiro. Teve, até o momento, 15 militares envolvidos.

 

Distrito Federal:

A Operação Mão Amiga tem por objetivo colaborar na prevenção e no combate aos transmissores da dengue e da febre Chikungunya, trabalhando de forma articulada com a Secretaria de Saúde, o Corpo de Bombeiros e outras agências do Governo do Distrito Federal. Iniciou em 21 de dezembro e já envolveu 118 militares. Existe a previsão de ser finalizada em 17 de junho de 2016. As organizações militares que estão atuando nessa Operação são: o Batalhão da Guarda Presidencial, o Batalhão de Polícia do Exército de Brasília, o 1º Regimento de Cavalaria de Guarda, a Base de Administração e Apoio do Comando Militar do Planalto, o 16º Batalhão Logístico e o 11º Grupo de Artilharia Antiaérea.

 

Fonte: Exército Brasileiro

Leopard: 41 Viaturas recuperadas

 

Santa Maria (RS) – No dia 5 de janeiro, o Parque Regional de Manutenção da 3ª Região Militar (Pq R Mnt/3) finalizou o Projeto de Recuperação das Viaturas Blindadas de Combate (VBC-CC) Leopard 1A1, que tinha por finalidade recuperar 41 carros de combate adquiridos do Exército Belga na década de 1990.
Para que essa missão fosse concluída no prazo estipulado, foi necessária a criação de uma Força Tarefa de Manutenção, estruturada com a participação de militares dos 4°, 6º e 9º Regimentos de Cavalaria Blindados, organizações militares de destino das viaturas recuperadas. Esse trabalho conjunto é um testemunho da força da união entre Unidades Operacionais e Logísticas para o cumprimento das missões mais desafiadoras.
Hoje, cada Regimento de Cavalaria Blindado (RCB) conta com um esquadrão de VBC CC Leopard 1A1, além de possuir, em seus quadros, militares experientes para manutenir rotineiramente essas viaturas. No entanto, o Pq R Mnt/3 é a Unidade Logística encarregada das missões de recebimento, manutenção e suprimento de todo o material do Projeto Leopard, tornando-se assim a OM de referência para as viaturas dessa família de blindados.
A solenidade de finalização do Projeto contou com a presença dos Comandantes dos RCB envolvidos. Durante a formatura, a última viatura blindada de combate Leopard 1A1 recuperada, pertencente ao 9° RCB, desfilou pela Alameda Gen Napion, representando todos os demais carros de combate recuperados pelo Parque.

Fonte: Pq R Mnt/3

ASTROS 2020 – EB Adquire Fieldguard 3 Fire Control

A empresa alemã Rheinmetall anunciou a encomenda do Fieldguard 3 Sistema de Rastreamento e Medição pelo Exército Brasileiro para o Projeto Estratégico do Exército

O Exército Brasileiro decidiu pelo sistema de Controle de Tiro e Rastreamento Fieldguard 3 Fire Control da empresa alemã Rheinmetall. Esta encomenda está incluída em um contrato de 2012, que totaliza o valor total, incluindo o peças de reposição no valor de €52 milhões (cerca de R$ 400 milhões). As entregas iniciaram em Maio de 2015 e serão completadas em Setembro de 2016.

O programa foi concebido em parceria da AVIBRAS Aeroespacial e a empresa Rheinmetall para as munições de longo alcance do PEE Astros 2020 Lançador Múltiplo de Foguetes. O Fieldguard 3 tem um alcance de até 100 Km.

O sistema ASTROS II em produção desde os anos 80 usava um sistema de controle da empresa suíça Contraves, que hoje integra o grupo Rheinmetall.

Está previsto que seja adquirido mais oito ou dozes unidades de Controle de Tiro Fieldguard 3. As fotos mostram o protótipo em testes já montados em um chassi Tatra como adotado atualmente pelo Exército Brasileiro

O programa ASTROS 2020 é considerado um dos sete Projetos Estartégicos do Exército Brasileiro. Prevê o desenvolvimento de novas munições como o Míssil AV-TM 300 e a munição terminal guiada AV-SS40G.

As demais munições atualmente em uso estão sendo aperfeiçoadas:
– SS-30 (30km alcance)
– SS-40 (40km alcance)
– SS-60 (60km alcance)
– SS-80 (80km alcance)
As primeiras unidades de produção já equipadas com o Fieldguard 3 deverão ser entregues ao Exército Brasileiro em 2017-2018.

 

Fonte: DefesaNet

Comparação ENTRE o Exercito Brasileiro e Exercito Venezuelano – Meios terrestres blindados

Conheça as armas e equipamentos à disposição do Exército Brasileiro

Até 2022, o processo de transformação do Exército chegará a uma nova doutrina (com o emprego de produtos de defesa tecnologicamente avançados, profissionais altamente capacitados e motivados) para que o Exército enfrente, com os meios adequados, os desafios do século 21, respaldando as decisões soberanas do Brasil no cenário internacional.

Carro de Combate Leopard 1A5

Carro de combate usado pela Arma de Cavalaria do Exército Brasileiro. Constitui uma força blindada de elevado poder de fogo, ação de choque, proteção blindada e flexibilidade. Normalmente é empregada como reserva estratégica nas operações ofensivas.

Fuzil de Assalto 5.56 IA2

Fuzil de assalto desenvolvido pela Indústria de Material Bélico do Brasil. O Exército Brasileiro fez uma encomenda inicial para ser distribuído e testado na Brigada de Operações Especiais e na Brigada de Infantaria Paraquedista. A previsão no futuro, é que este fuzil venha ser utilizado na maioria das unidades do Exército Brasileiro.

Apontador Óptico Auxiliar para designação de alvos

Faz parte do Equipamento de Direção de Tiro FILA, do sistema de defesa antiaérea. Tem características de desempenho adequadas para o combate a ameaças aéreas em baixa altura e com alta manobrabilidade, em condições meteorológicas adversas.

Blindado Antiaéreo Gepard 1A2

Moderno equipamento do Exército Brasileiro para o Sistema de Defesa Aérea do País, também será utilizado na proteção aérea das cidades-sede durante a Copa do Mundo.

Helicóptero Pantera

Este equipamento compõe as esquadrilhas de helicópteros dos Batalhões de Aviação do Exército. Normalmente são utilizados para o transporte de tropa em operações diversas ou enquadrados nas Operações Aeromóveis.

Militar caçador do Exécito Brasileiro

Conhecido como sniper, o caçador é considerado um eficiente multiplicador do poder de combate que tem como principais missões neutralizar alvos e destruir meios materiais.

Militar de Tropa Especial com óculos de visão noturna (OVN)

São empregados na execução das operações noturnas pelas tropas especiais do Exército Brasileiro. Os chamados OVNs utilizam a tecnologia da otimização da imagem, que funciona através da coleta das minúsculas porções de luz residual, imperceptível ao olho humano.

Fuzil M16 com lançador de granada

Fuzil de origem americana que pode ser empregado com ou sem o lançador de granadas, é utilizado por determinadas tropas da Brigada de Operações Especiais em situações e missões diversas.

Militar equipado com rádio mallet e fuzil 5,56 IA2

Desenvolvido pela Indústria de Material Bélico do Brasil, o rádio Mallet é dotado de uma vasta gama de potencialidades que visam facilitar as ações de Comando e Controle nas operações.

Militares com equipamento de proteção individual de Defesa Química, Biológica, Radiológica e Nuclear

Soldados são treinados para combater em guerras químicas, biológicas e nucleares, principalmente em controle e descontaminação de armas, locais e equipamentos militares.

Artilharia Antiaérea realiza disparo com Canhão Bofor 40mm

Canhão automático antiaéreo de origem sueca, é dotado do moderno sistema 40mm FILA-BOFORS.

Portada Tática Leve

Portadas provisórias, normalmente lançadas sobre um curso d´água ou obstáculo, para propiciar o transporte de viaturas leves ou pesadas.

Sistema Astro: Lançadores Múltiplos de Foguetes

Fabricado pela brasileira Avibrás, este sistema pode lançar munições de diferentes calibres, a distâncias entre 9 e 300 km. É empregado para abater alvos de grande importância, além de alvos estratégicos.

Helicóptero Black Hawk

Este equipamento é utilizado para o transporte de tropa em operações diversas ou enquadrados nas chamadas Operações Aeromóveis, no entanto eles diferem das aeronaves Panteras devido sua maior rusticidade e capacidade.

%d blogueiros gostam disto: