Arquivo do autor:Francisco Santos

Militares do Vale fazem treinamento especial para as Olimpíadas do Rio

Operação Lunas em Cachoeira Paulista reuniu 270 militares em treinamento (Foto: Divulgação/Comando de Aviação do Exército)Operação Lunas em Cachoeira Paulista reuniu 270 militares em treinamento com foco em voos noturnos (Foto: Divulgação/Comando de Aviação do Exército)

Militares do Comando de Aviação do Exército (Cavex), em Taubaté (SP), estão sendo treinados para ações de combate ao terrorismo e situações de risco. Os exercícios simulam a atuação do grupo durante os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, em 2016.  Os voos das 12 aeronaves foram feitos na região de Cachoeira Paulista, no interior de São Paulo.

De acordo com o Exército, foram três semanas de simulações de operações de embarque e desembarque de tropas especializadas, transporte de cargas externas, reconhecimento e navegação noturna. Participaram desta etapa do treino, que termina nesta semana e tem ênfase em voo noturno, 270 militares.

“Estão sendo utilizados cinco tipos de aeronaves, equipamentos de apoio  como material de combate a incêndio, abastecimento, salvamento aéreo e resgate, óculos de visão noturna, entre outros”, explicou o tenente-coronel Cícero Ubiratan de Oliveira Santos, chefe da sessão de Comunicação Social do Cavex.

O treinamento passou ainda pelas cidades de Resende (RJ) e Lins (SP). Segundo o Comando de Aviação do Exército, até o período das Olimpíadas deverão ser realizados novos exercícios.

“As operações buscam se aproximar ao máximo da realidade que a Aviação poderá encontrar nas Olimpíadas”, afirmou ainda o tenente-coronel.

FONTE: G1

Anúncios

Embraer vai transferir produção de modelo executivo para os EUA

Phenon 300, Embraer (Foto: Divulgação/Embraer)

A Embraer anunciou nesta terça-feira (12) que vai transferir parte da linha de montagem dos aviões executivos Phenon, nas versões 100 e 300, para os Estados Unidos. O modelo, atualmente produzido em São José dos Campos (SP) e Botucatu (SP), é um dos jatos mais vendidos da companhia.

De acordo com a empresa, o avião será produzido na planta em Melbourne, na Flórida. A medida ocorre a partir de uma decisão estratégica da Embraer e a previsão é que a transferência ocorra em 2016.

Com a transferência, cerca de 600 funcionários que trabalham no setor devem ser remanejados para a montagem dos jatos comerciais Ejets E2. Em breve, a unidade de São José dará início à montagem de protótipos da nova geração do modelo.

A Embraer informou que apesar da transferência da produção do modelo Phenom para o exterior, o produto ainda continuará sendo feito no Brasil, exclusivamente pela planta de Botucatu (SP). Em 2015, a companhia prevê receitas de até US$ 6,6 bilhões, com investimentos em capacitação industrial, pesquisa e desenvolvimento de novos produtos.

Setor
Com o anuncio, o Sindicato dos Metalúrgicos de São José teme que outras empresas da cadeia de aviação no Vale do Paraíba sofram impactos negativos. A entidade, porém, afirmou que ainda avalia as consequências da medida para os trabalhadores.

Cerca de 30% dos profissionais ligados ao sindicato estão empregados no setor de aviação.

G1

Nova pegadinha do Silvio Santos assusta pedestres com personagens do ‘Star Wars’

 (Twitter/Reprodução)
Silvio Santos não se cansa de pregar peças com a câmera escondida. Depois de assustar os passageiros do metrô de Fortaleza com Zumbis e menina fantasma, o homem do baú exibiu neste domingo, 10, uma pegadinha usando os personagens da franquia Star Wars.
 Em uma rua estreita, pessoas eram surpreendidas por um Ewok correndo, que entra um sabre de luz para o pedestre e sai correndo. Momentos depois, o próprio Darth Vader e um exército de Storm Troopers aparecem para resgatarem o objeto. Até um casal de idosos caiu na pegadinha.
Assista:  

Estado de Minas

Astronauta italiana posta foto de Belo Horizonte vista do espaço

Twitter/ReproduçãoA primeira mulher astronauta italiana postou uma foto de Belo Horizonte vista do espaço em sua página no Twitter. Samantha Cristoforetti, é astronauta da agência espacial europeia e viajou em novembro do ano passado no voo Soyuz TMA-15M com o cosmonauta russo Anton Shkaplerov e o astronauta norte-americano Terry Virts até chegar a Estação Espacial Internacional.

Fonte: Estado de Minas

Pentágono: China lançou objeto misterioso ao espaço

Um relatório recente publicado pelo Departamento de Defesa alerta para o crescente programa espacial chinês, insistindo que muitas das atividades espaciais de Pequim estão voltadas para dar respostas às capacidades espaciais de adversários em caso de um conflito.

O relatório anual do Departamento de Defesa ao Congresso americano, chamado Acontecimentos Militares e de Segurança Envolvendo a República Popular da China, é divulgado ao mesmo tempo em que militares da Força Aérea pedem por uma defesa mais robusta das propriedades espaciais dos Estados Unidos. Os EUA possuem mais de 500 satélites que, de acordo com a Força Aérea, estão cada vez mais expostos a ameaças do programa espacial da China e das chamadas tecnologias contraespaciais.

“A China possui um programa espacial de amadurecimento mais rápido no mundo”, diz o documento, afirmando também que, paralelamente, a China continua a “desenvolver uma variedade de capacidades projetadas para limitar ou prevenir o uso de propriedades espaciais por seus adversários em monentos de crise ou conflito.”

A notícia deve alarmar países do Ocidente, em particular os EUA, que confiam pesadamente em satélites de comunicação e vigilância para manter uma vantagem no setor de informação em relação a seus rivais em potencial. O programa espacial de Pequim, que continua em rápida expansão, reduziria essa vantagem americana.

De acordo com o relatório, um lançamento feito em julho de 2014 renovou os temores em relação à capacidade chinesa de desenvolver tecnologias espaciais “destrutivas”. O documento aponta que enquanto o lançamento não resultou em nenhum prejuízo ou destruição, o evento tinha “perfil similar” a um teste executado no dia 2 de janeiro, no qual um satélite desativado foi propositalmente destruído, deixando centenas de pedaços de peças na órbita da terra.

“Os Estados Unidos expressam preocupação com o contínuo desenvolviento das tecologias espaciais destrutivas da China, que constituem uma ameaça para todas nações pacíficas e são inconsistentes com as declarações públicas da China sobre o uso do espaço para propósitos pacíficos.”

O relatório também detalha um incidente no qual a China enviou um objeto não identificado ao espaço em maio de 2013.

“A China lançou um objeto ao espaço em uma trajetória balística com uma altitude máxima de 30 mil quilômetros”, diz o texto. “A trajetória orbitou próximo de onde muitas nações mantêm satélites de comunicação.”

“Análise do lançamento determinou que o propulsor não estava na trajetória apropriada para colocar objetos em órbita e que nenhum satélite novo foi instalado”, completa o documento.

O objeto misterioso esteve no espaço por nove horas e meia antes de voltar à Terra e, mesmo não sendo identificado, o relatório sugere que o lançamento poderia ter “sido um teste de tecnologia com uma missão contraespacial.”

Temores em relação a satélites dos Estados Unidos já fizeram que a administração Obama propusesse gastos extras de US$ 5 bilhões durante os próximos cinco anos para manter a segurança dos satélites militares e espiões do país.

“O Pentágono está claramente a cada vez mais alarmado com o crescimento das capacidades espaciais e contraespaciais chinesas”, avaliou Brian Weeden, da Fundação de Segurança Mundial, à agência Reuters.

Fonte: http://br.sputniknews.com/mundo/20150511/991023.html#ixzz3ZstwyEfO

Tejas no limite

capa1Devido a restrições de espaço, o HAL Tejas não poderá receber equipamento de guerra eletrônica (EW) a bordo, disse o Controlador e Auditor Geral (CAG – Comptroller and Auditor General) da Índia ao Parlamento.

O projeto da Aeronave de Combate Leve da Índia, com mais de três décadas, recebeu severas críticas do CAG, dizendo que sua versão Mark I tem 53 “deficiências significativas” que reduziram as suas capacidades operacionais, bem como a capacidade de sobrevivência.

Não só isso, a IAF seria “constrangida” se aceitar o caça sem um modelo de treinador, “impactando negativamente o treinamento de pilotos”, relatou o CAG ao Parlamento.

O CAG também relatou que devido ao atraso na fabricação e fornecimento do Tejas, a IAF teve de optar por medidas temporárias alternativas, como a modernização da sua frota de aviões MIG-21 Bis, MiG-29, Jaguar, e aviões Mirage a um custo de Rs 20.037 crore (US$ 3,71 bilhões) e rever a retirada progressiva dos MiG-21.

4-tejas-aircraft“O LCA Tejas Mark-I, que alcançou a capacidade operacional inicial (Initial Operational Clearance– IOC), em dezembro de 2013, tem 53 deficiências significativas. Como resultado, a aeronave terá reduzidas capacidades operacionais e de sobrevivência, assim, limitando a sua empregabilidade operacional quando introduzida nos esquadrões da IAF”, conforme o relatório.

Listando as deficiências, o CAG disse que o Tejas Mark-I não é capaz de cumprir as capacidades de guerra eletrônica da IAF. O pequeno jato não poderá receber um Jammer de autoproteção orgânico devido a limitações de espaço. Não obstante, o RWR (receptor aviso radar) montado na aeronave tinha levantado preocupações de desempenho. Espera-se que as deficiências do Mark-I, como aumento de peso, diminuição da capacidade interna de combustível, proteção do sistema de combustível, proteção ao piloto, velocidade reduzida, dentre outras coisas, sejam superados no modelo Mark-II.

“O Mark-I não cumpriu os requerimentos operacionais (ASR – Air Staff Requirements). As deficiências devem ser sanadas com o Mark-II até Dezembro de 2018,” disse o CAG.

O Tejas sempre foi ‘vendido’ com uma imagem que o apresentava como uma aeronave desenvolvida localmente e com conteúdo nacional de 70%, mas na realidade esse percentual é de apenas 35%.

LCA-TejasSistemas como o motor Kaveri, Radar multi modo, Radome, Display multi funcional e atuadores de voo não puderam serem desenvolvidos localmente com sucesso, resultando em dependência de importação desses sistemas. A IAF tinha proposto no início de 1980 que uma nova aeronave fosse desenvolvida localmente para substituir ao longo da década de 1990 sua frota de caças MiG-21, fabricados entre 1966 e 1987.

O projeto para a concepção e desenvolvimento do LCA (Light Combat Aircraft – aeronave de combate leve) foi sancionado em 1983 a um custo inicial de Rs 560 crore (US$ 103,7 milhões), que foi reforçado por seguidos aportes até Rs 10.397,11 crore (US$ 1,93 bilhões).

O governo em junho de 1984, constituiu uma Agência de Desenvolvimento Aeronáutico (Aeronautical Development Agency -ADA) como uma instituição dedicada para a gestão do projeto LCA.

Em outubro de 1985, a IAF emitiu um Requisito Aeronáutico (Air Staff Requirement – ASR) definindo as bases para um caça leve multifunção com capacidade secundária de apoio aéreo ofensivo e excelente manobrabilidade para o combate aéreo aproximado em altitudes baixas e médias.

18244_10205363597986885_4650470843511374865_nO requisito era para 220 unidades, sendo 200 caças e 20 treinadores a serem introduzido nos esquadrões da IAF em 1994. No entanto, a aeronave só alcançou a capacidade operacional inicial (Initial Operational Clearance – IOC) em dezembro de 2013, na qual a data prevista era para ser dezembro de 2005!

A capacidade operacional plena (Full Operational Clearance – FOC), que estava prevista para ser concluída até dezembro de 2008, está agora prevista para ser alcançada até dezembro de 2015, embora especialistas digam que está poderá ser adiada.

O CAG também apurou que foi um erro da ADA a construção de protótipos que claramente demonstravam serem incapazes. A fim de poupar recursos e recuperar o tempo perdido, a ADA não conseguiu nenhum e nem outro. Para aumentar os problemas, o longo período de gestação levou a uma mudança de sistemas de armas no LCA, sendo necessária a aquisição de novas.

LCA-Tejas-MK-I-high-Altitude-trials-at-LehO CAG relatou que as instalações da HAL atualmente só são capazes de produzir quatro aeronaves por ano, contra a exigência prevista de oito, devido a atrasos na aquisição de ferramental e também na construção de hangares de produção.

O CAG enfatizou sobre a necessidade de uma gestão mais eficiente de planejamento e execução de programas de desenvolvimento de aeronaves. Prazos realistas devem ser definidos pelo MD enquanto aprovação para tais projetos do governo e que o mesmo deve ser respeitado durante a sua execução com um planeamento coordenado e um mecanismo eficaz de monitoramento.

capa

FONTE: India Times – Tradução e edição: CAVOK

Polícia: Pai de adolescente mata homem após ele postar vídeo fazendo sexo com sua filha

2zcFSCw

RT0R5hD

Ai5HOfb

ASSISTA AO VÍDEO: https://vid.me/AD1w

%d blogueiros gostam disto: