Arquivo do autor:Francisco Santos

TAM: O tanque médio argentino

modelismo-008-05-zoom

O TAM, é um MARDER ao qual foi acrescentada uma torre equipada com o famoso canhão L-7 de fabrico britânico.

Embora seja um projeto alemão , apenas os primeiros três exemplares foram produzidos na Alemanha, tendo os restantes veículos sido produzidos na Argentina pela TAMSE. O tanque TAM (iniciais de Tanque Argentino Mediano) é claramente baseado no veículo de combate de infantaria da Henschel, conhecido como Marder, pois foi a solução encontrada para reduzir o tempo de desenvolvimento do projecto para as Forças Armadas Argentinas.

A blindagem parece ser idêntica, dado o TAM ter um peso ligeiramente inferior ao do MARDER. Segundo os dados conhecidos a blindagem é eficiente perante calibres até 40mm.

Os argentinos acrescentaram a possibilidade de o carro de combate ter a sua autonomia aumentada, com a inclusão de tanques adicionais de combustível (que se podem remover).

Por ser baseado num veículo de combate de infantaria, ao contrário dos carros de combate convencionais o tanque tem o motor colocado na parte da frente, à direita, com o condutor à esquerda. A parte frontal do veículo é também a mais protegida.

Historia e variações

VCLC_MRL_160_mm.JPG

A família TAM constitui a mais extensa linha de veículos militares existente na América Latina.

Ela começou com o projecto do TAM (Tanque Argentino Mediano) e progrediu até dispor de veículos para varias funções.

Entre os principais contam-se.

 

VCA versão auto-propulsada do TAM

VCA/155
  • Quantidade Máxima – 18 Quantidade em Serviço – 18

O TAM/155mm é o único canhão autopropulsado produzido na América Latina. A torre Palmaria e fabricada na Itália, foi comprada pelos argentinos e montada em cima do chassis alongado do carro de combate TAM, os quais a Argentina fabrica sob licença desde os anos 70. Trata-se de um veículo convencional com boas prestações.

O canhão italiano de 155mm tem um alcance máximo de 24,7Km para munição explosiva. O TAM/155mm pela capacidade do canhão instalado, pelo fato de ser um produto fabricado na Argentina, é o mais eficiente sistema de artilharia de todo o continente sul americano. O seu alcance é superior ao de qualquer outro sistema que esteja ao serviço nos países limítrofes, sendo superior aos sistemas M-109A3 em serviço no Brasil.

  • TAM-VCTP

A base VCTP IFV é essencialmente semelhante ao formato do Marder alemão, mas simplificado e modificado para atender às exigências do Exército argentino e tem um motor mais potente de 720 hp diesel MTU.

O armamento principal é realizada em duas torres uma armada com um canhão Oerlikon de 20 mm e uma torreta montada externamente de 7,62 mm MG para defesa local e aérea. Essa arma 7,62 mm MG está localizado numa montagem sobre a traseira do casco e controlada remotamente.

Esse Metralhadora é controlada de dentro do compartimento da tropa, que pode acomodar até dez soldados e seus equipamentos pessoais. As tropas entram e saem do veículo Através de uma porta na parte traseira do casco e também há escotilhas telhado. Portos de ignição e dispositivos de visão estão localizadas ao redor do compartimento de tropas para a utilização pelos ocupantes. Quatro lançadores de granadas de fumo são montadosoverhaull de cada lado.

  • VCLC

O VCLC sistema de lançamento de foguetes múltiplos nunca veio ao serviço ativo, devido a problemas financeiros. O sistema VCLC (Vehículo de Combate Lanza Cohetes) múltiplos de foguetes de lançamento foi desenvolvida na Argentina com uma ajuda de Israel.

Infelizmente, apenas um pequeno número destes sistemas foi Construído Devido a problemas de financiamento e que nunca veio ao serviço ativo. O VCLC Tem um design modular e foi desenvolvido em duas variantes de fogo de foguetes de 160-mm e 350 mm . Poucas modificações foram necessárias para mudar entre os tipos de foguetes.

O VCLC-CAL (Cohete de Artilleria Ligero) é equipado com o sistema modular lançador de foguetes israelense LAR-160 . Submeteu-se a ensaios em 1986. O dois recipientes utilizados de 160-milímetro CAL podem transportar 18 foguetes. Estes recipientes são de fábrica equipados com foguetes e selado. Eles podem ser armazenadas por até 15 anos sem qualquer manutenção. Depois de lançar todos os foguetes, os contentores são removidos por guindastes e substituídos por novos.

HE-FRAG e ogivas de fragmentação estão disponíveis. Outra variante, e o VCLC-CAM (Cohete de Artilleria Mediano) que tiveram quatro tubos de lançamento foguetes feitos em Israel 350-MAR de 350 milímetros. O padrão de pesos de foguete chega a 1 000 kg e tem um alcance máximo de 75 – 95 km. Apenas um protótipo deste sistema foi construído. Algumas fontes afirmam que foram Submetidos a Testes em 1988. O VCLC está equipado com uma metralhadora 7,62 mm para auto-proteção e defesa aérea limitada.

Existem ainda versões anti-minas, veículo de comando, veículo de transporte de munições e porta-morteiro pesado.

 

Fonte: Wikipédia

Saiba o porquê de as embarcações serem registradas em outros países

Todos os iates, lanchas, barcos e navios devem ser registrados em um porto de um determinado país, estando sujeitos às leis daquela jurisdição e podendo, inclusive, reivindicar proteção daquele país em momentos de dificuldade. Todo o proprietário de embarcação, provavelmente, já deve ter notado o aumento do número de iates que usam bandeiras de países exóticos em vez de bandeiras tradicionais no topo de seus mastros. Isto não é surpreendente devido às grandes vantagens que o registro de iates e navios no exterior traz ao seu dono!

Registro de embarcações através de uma empresa offshore

Muitas jurisdições exigem que o proprietário do iate seja um cidadão do país. Portanto, você pode usufruir dos benefícios de registrar a sua embarcação no exterior através de uma empresa offshore. Sendo assim, você primeiro faz a incorporação da empresa offshore depois transfere o iate para a empresa.Você seráo dono da empresa e a empresa será o dono do iate. Além do mais, esse tipo de estrutura é usada para limitar suas responsabilidades pessoais. Essa solução permitirá usar o iate de forma confidencial, sem registros oficiais de sua propriedade pessoal, protegendo assim seu ativo.

Outra maneira de fazer isso é incorporar a empresa offshore e só então, após a construção ou a aquisição de uma nova embarcação, o iate pode ser registrado sob essa entidade jurídica.

Benefícios fiscais, legais e de registro de iates e navios no exterior

  1. Dependendo da jurisdição onde a embarcação for registrada, nenhum imposto é pago sobre os salários da tripulação de navios que operam em águas internacionais.
  2. Dependendo da jurisdição que o barco está registrado, não há nenhum tributo sobre ganhos de capital ou sobre a venda ou transferência de um navio ou de ações de uma companhia de navegação.
  3. Dependendo da jurisdição em que o navio está registrado, as empresas de gestão de navios de propriedade de não residentes e os navios que operam em águas internacionais não pagam nenhum imposto sobre os seus lucros.
  4. Taxas de IVA mais baixas quando aplicável.
  5. Baixos custos de registro. Isso inclui um processo de registo muito mais simples, com menos de documentação e papelada, poupando-lhe tempo e dinheiro.
  6. Dependendo da jurisdição que o navio está registrado, companhias de navegação são praticamente livres de qualquer tipo de imposto.
  7. Registro de um iate pode ser feito de forma anônima.
  8. Confidencialidade, riscos e passivos limitados quando um iate pessoal é transferido para uma empresa offshore.
  9. Riscos reduzidos e liberdade de viajar. Muitas jurisdições offshore dão aos proprietários de iates a liberdade de mobilidade, isso porque muitos países possuem relações difíceis entre si, podendo causar tensões em alto mar. Assim, ter uma bandeira de um país considerado neutro trará confidencialidade ao proprietário do iate e menos conflitos, já que sua verdadeira cidadania não será identificada.
  10. De acordo com a jurisdição onde o iate é registrado, não haverá nenhum imposto sobre os dividendos recebidos de uma empresa que é proprietária do barco.
  11. Dependendo da jurisdição que o navio está registrado, não haverá nenhum imposto de renda sobre compensações para os oficiais e tripulantes.

Jurisdições populares para registro de iates e navios

  • Panamá
  • Nevis
  • Mônaco
  • Belize
  • BVI
  • Delaware
  • Gibraltar
  • Malta

Os procedimentos padronizados para registrar seu iate no exterior

Obviamente, cada jurisdição terá suas próprias exigências, mas aqui você pode ver a principal exigência de que cada um deles vai exigir:

  • Normalmente, o registro de navios e iates é permitido aos cidadão com empresas registradas na jurisdição escolhida pelo proprietário, por isso o uso de uma empresa offshore pode satisfazer essa exigência dependendo da jurisdição.
  • A escritura ou o certificado de fabricante.
  • Um certificado de conformidade por um auditor internacional.
  • Normalmente, os navios com mais de 20 anos terão de passar por uma inspeção especial por um inspetor autorizado na jurisdição onde o barco será registrado.

Quanto tempo leva para ter seu iate registrado no exterior?

Aproximadamente entre 7 a 30 dias úteis, dependendo da jurisdição onde a embarcação for registrada.

Dr. Marco Antonio Vasquez Rodriguez é advogado e diretor da Vasquez Rodriguez Advocacia e Consultoria em São Paulo especializado em proteção patrimonial, planejamento sucessório, planejamento tributário e planejamento empresarial; mestre em Teoria Geral do Direito e do Estado, especialista em Direito Tributário pelo Instituto Brasileiro de Estudos Tributários – IBET e Extensão Universitária pelo Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo-USP

 

Fonte: http://www.sociedadeinternacional.com/registro-de-iates-e-navios-no-exterior/

Seul dispara contra drone norte-coreano na fronteira

A Coreia do Sul fez disparos de advertência contra um suposto drone norte-coreano após o equipamento ultrapassar a fronteira entre os dois países, informou a mídia local nesta quarta-feira (13).

Essa foi a primeira resposta militar de Seul desde o teste de Pyongyang com uma bomba de hidrogênio, realizado no último dia 6 de janeiro. Segundo a agência de notícias sul-coreana Yonhap , foram “20 disparos por volta das 2h10” (hora local).

 

Em nota, as Forças Armadas de Seul informaram que o drone voltou para o território norte-coreano após os disparos. Ainda de acordo com o órgão, “diversos alertas sonoros” foram dados antes dos tiros de advertência.

A tensão entre as duas nações voltou a aumentar desde o dia 6, com constantes ameaças de um aumento nos testes nucleares de Pyongyang e, pelo lado sul-coreano, de mais sanções econômicas contra a Coreia do Norte.

B -52 da USAF fez sobrevoo sobre a Coreia do Sul esta semana em resposta a teste nuclear dos norte coreanos.
Fonte: EFE
 
 

Anonymus ataca 300 sites tailandeses após imigrantes serem condenados à morte

O grupo de hackers “Anonymus” atacou nesta quarta-feira 300 sites do governo e de instituições judiciais da Tailândia em represália a condenação à morte de dois imigrantes birmaneses acusados de assassinar dois turistas britânicos.

O grupo reivindicou a autoria da ação em mensagem no Facebook com a mesma assinatura usada em 5 de janeiro, quando anunciou o ataque aos sites da polícia tailandesa.

A nova ação aconteceu depois que a Justiça tailandesa sentenciou com a pena de morte em 24 de dezembro Zaw Lin e Wai Phyo (também conhecido como Win Zaw Htun), ambos de 22 anos e nascidos em Mianmar. Eles foram considerados culpados do assassinato de Hannah Witheridge, de 23 anos, e David Miller, de 24, em uma praia de Koh Tao, uma ilha paradisíaca da Tailândia, em setembro de 2014, após um processo cheio de irregularidades.

Grupos de apoio aos imigrantes denunciam que os dois acusados confessaram ter cometido os crimes depois de terem sido torturados pela polícia e vários especialistas colocaram em dúvida a confiabilidade dos exames de DNA usados pela Justiça.

“Anonymus fecha os sites de todos os tribunais de Justiça tailandeses em protesto pelo veredicto do caso dos assassinatos em Koh Tao. Anonymus apoia a campanha para pedir aos turistas que boicotem a Tailândia até que mude a maneira como a polícia tailandesa administra as investigações nas quais há turistas estrangeiros envolvidos”, disse o grupo em sua mensagem.

Ontem, a irmã de Hanna, Laura Witheridge, qualificou a investigação policial de “mal feita” em mensagem no Facebook. No texto, ela também revelou ter recebido ameaças e acusou a maioria dos policiais tailandeses de ser “corrupta”.

Após a sentença, milhares de cidadãos se manifestaram em Mianmar para denunciar que os dois condenados são inocentes e foram utilizados como “bode expiatório” pela polícia tailandesa.

Fonte: EFE

Novo comboio de ajuda humanitária chega a cidade síria sitiada

Um novo comboio de ajuda humanitária chegou nesta quinta-feira (14) à cidade síria de Madaya, onde os habitantes sofrem com a fome após meses de cerco das forças governamentais.

Dezenas de caminhões carregados com alimentos e medicamentos abandonaram pela manhã Damasco rumo a Madaya, uma cidade de 40 mil habitantes situada 40 km a oeste da capital.

A ONU e as potências ocidentais criticaram com firmeza o ataque das forças do regime de Bashar al-Assad nesta localidade, onde mais de 20 pessoas morreram de fome, segundo organizações humanitárias.

A ONU também pediu a evacuação de cerca de 400 habitantes de Madya que precisam de cuidados médicos de forma imediata.

Um porta-voz do Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICR), Pawel Krzysiek, anunciou que um comboio de 44 caminhões com ajuda humanitária se dirigia de Damasco a Madaya.

“A prioridade é a farinha de trigo e os produtos de limpeza”, disse.

O comboio também transportava equipes médicas, incluindo um nutricionista do CICV que prestará atendimento aos habitantes, acrescentou.

Imagem chocante mostra jovem desnutrido por falta de alimentos em Madaya, na Síria (Foto: Local Revolutionary Council in Madaya/AP)Imagem chocante mostra jovem desnutrido por falta de alimentos em Madaya, na Síria (Foto: Local Revolutionary Council in Madaya/AP)

Enquanto isso, outro comboio de 17 caminhões partiu de Damasco para levar ajuda aos 20 mil habitantes das localidades xiitas de Fua e Kafraya, sitiadas pelos rebeldes na província de Idleb (noroeste).

O governo já permitiu na segunda-feira que dezenas de caminhões levassem ajuda humanitária a estas três cidades, pela primeira vez em quatro meses.

Entregas nos próximos dias
O Escritório para a Coordenação de Assuntos Humanitários da ONU afirmou que haverá uma terceira entrega de ajuda nos próximos dias.

Caminhões com o logotipo do Crescente Vermelho sírio avançavam enfileirados em uma estrada dos arredores de Damasco, disse um fotógrafo da AFP.

Pequenos veículos com a bandeira azul da Agência da ONU para os Refugiados (Acnur) lideravam o comboio.

“Ficamos animados em ter conseguido alcançar estas cidades onde milhares de pessoas estão presas há muito tempo”, declarou o coordenador de assuntos humanitários da ONU na Síria, Yacub el Hillo.

Ele reconheceu que as entregas em Fua e Kafraya podem ser adiadas por culpa das complexas medidas de segurança impostas na zona, mas disse esperar que as operações possam prosseguir.

Menino aparece em imagens de vídeo feito nesta terça-feira (5) em Madaya, na Síria, onde civis estão morrendo or falta de mediamentos e comida (Foto: REUTERS)
Menino aparece em imagens de vídeo feito na última terça-feira (5) em Madaya, na Síria, onde civis estão morrendo or falta de mediamentos e comida (Foto: REUTERS)

“A verdadeira solução para esta situação, para os apuros da população sitiada nestas localidades é que o cerco seja levantado”, considerou El Hillo.

Segundo ele, a Organização Mundial da Saúde (OMS) iniciou negociações diretas com as autoridades sírias para conseguir uma retirada segura dos habitantes de Madaya, que precisam de atendimento médico urgente.

“Encontramos casos muito urgentes em Madaya que precisam ser transferidos rapidamente ao hospital. Esperamos que isto ocorra nos próximos dias”, disse El Hillo.

Cuidados médicos necessários
Uma menina de oito anos que precisava de atendimento médico especializado pôde sair de Madaya e se dirigir a Damasco junto aos seus pais, onde está recebendo tratamento, explicou El Hillo.

O enviado da ONU para a Síria, Staffan de Mistura, afirmou na quarta-feira que as potências mundiais tentarão alcançar uma ação imediata para prestar ajuda às zonas sitiadas na Síria, após uma reunião em Genebra com os embaixadores dos membros permanentes do Conselho de Segurança das Nações Unidas: Reino Unido, China, França, Rússia e Estados Unidos.

Fua, Kafraya, Madaya e o reduto rebelde de Zabadani eram alvos de um cessar-fogo assinado pelos rebeldes e pelo regime em setembro.

O governo de Assad e a ONU defenderam este tipo de tréguas locais como uma maneira de colocar fim aos combates na Síria, onde mais de 260 mil pessoas morreram desde 2011.

Uma nova rodada de negociações de paz deve ser realizada em 25 de janeiro em Genebra, apesar do temor de que as tensões diplomáticas entre Irã e Arábia Saudita, que apoiam grupos distintos na guerra, possam prejudicar o processo.

 

Fonte: G1

MINUSTAH homenageia mortos no terremoto de 2010, no Haiti

 

Porto Príncipe (Haiti) – No dia 12 de janeiro, a Missão das Nações Unidas para Estabilização no Haiti (MINUSTAH) realizou uma homenagem aos civis e militares mortos com o terremoto que assolou o país em 2010. Em cerimônia realizada na Base Logística da MINUSTAH (Log Base), a Representante Especial do Secretário-Geral das Nações Unidas, Sandra Honoré, lembrou as vítimas da tragédia. “Há seis anos, perdemos amigos, familiares e colegas. Porém essas vidas não foram em vão. Devem servir como inspiração para reconstruirmos e construirmos um futuro melhor”, disse.

 

A cerimônia contou com a participação de autoridades civis e militares, além de alguns familiares das vítimas.

 

 

Homenagem aos militares brasileiros

 

Entre os mais de 200 mil mortos no terremoto, estavam 18 militares brasileiros.

 

Em homenagem aos capacetes azuis do Brasil, o Batalhão Brasileiro de Força de Paz (BRABAT) organizou uma solenidade na Base General Bacellar. A cerimônia militar foi presidida pelo Force Commander da MINUSTAH, General de Divisão Ajax Porto Pinheiro. “No Haiti, as Forças Armadas deixaram parte do seu sangue. Em breve, vamos partir, mas a nossa história ficará aqui”, afirmou.

 

Dentre os presentes na cerimônia estavam o Comandante do 23º Contingente Brasileiro no Haiti, Coronel Ricardo Pereira de Araujo Bezerra, o Comandante do Grupamento Operativo de Fuzileiros Navais, Capitão de Mar e Guerra Alexandre da Costa Lopes, e o Comandante da Companhia de Engenharia de Força de Paz, Tenente-Coronal Otávio Krawutschke Cardoso.

 

As autoridades depositaram uma coroa de flores sobre o monumento erguido em memória aos militares brasileiros falecidos na tragédia.

 

 

O terremoto do Haiti de 2010

 

Ocorrido no dia 12 de janeiro de 2010, as 16h53 do horário local (19h53 do horário de Brasília), o terremoto destruiu a Capital do país, Porto Príncipe. Com a magnitude 7,0 na escala Richter, seguido por 33 réplicas sismológicas, a catástrofe vitimou cerca de três milhões de pessoas, segundo o Comitê Internacional da Cruz Vermelha. O Governo estipulou mais de 200 mil mortos, dentre os quais se encontravam os 18 militares brasileiros.

 

O tremor causou grandes danos a Porto Príncipe e a outras localidades do Haiti, com milhares de edifícios destruídos, incluindo o Palácio Presidencial, o edifício do Parlamento e a sede da MINUSTAH, que desabou com muitos funcionários dentro, tanto civis quanto militares.

 

Fotos e Fonte: BRABAT via Exército Brasileiro

Exército Brasileiro contra o Zika Vírus

Este slideshow necessita de JavaScript.

Brasília (DF) – Devido à sua capilaridade, à flexibilidade que lhe permite atuar em diferentes ambientes e à prontidão para dar resposta imediata às demandas, o Exército Brasileiro está participando da campanha de combate ao mosquito Aedes aegypti.

Após a capacitação realizada por especialistas, militares estão nas ruas, desde o início de dezembro, atuando com sua “Mão Amiga” em prol da sociedade, orientando a população, identificando e eliminando possíveis locais de proliferação do mosquito e apoiando o trabalho de agentes de saúde.

Abaixo é possível ver, por Estado da Federação, as atividades já concretizadas e algumas que ainda estão em andamento, com atualização até o dia 5 de fevereiro.

 

Pernambuco:

Com um efetivo total de 531 militares envolvidos, a chamada Operação Água Limpa tem por objetivo cooperar com o Governo Estadual, o Ministério da Integração e o Ministério da Saúde no combate ao mosquito transmissor do zika vírus, da dengue e da febrechikungunya. As atividades tiveram início em 7 de dezembro e não têm previsão de término. Atuam na missão o 4º Batalhão de Comunicações, o 4º Batalhão de Polícia do Exército, o 14º Batalhão de Infantaria Motorizado, o 7º Grupo de Artilharia de Campanha, a 10ª Companhia de Engenharia de Combate e o 71º Batalhão de Infantaria Motorizado.

 

Espírito Santo:

A Operação Espírito Santo tem o mesmo objetivo da Operação Água Limpa. As atividades realizadas pelo 38º Batalhão de Infantaria envolveram, até o momento, 20 militares e estão ocorrendo desde o dia 8 de dezembro, também sem previsão de encerramento.

 

Mato Grosso do Sul:

Nesse Estado, as atividades estão sendo desencadeadas, desde 8 de dezembro, em duas cidades: na Capital (Campo Grande) e em Coxim. Sob a coordenação do Comando Militar do Oeste, têm por objetivo apoiar a Prefeitura Municipal nas ações de combate aos focos do mosquito Aedes aegypiti. Na Capital, 62 militares estão empenhados; já em Coxim, 34 militares atuam contra o mosquito, com previsão de encerrar os trabalhos em 18 de fevereiro.

 

Rio Grande do Sul:

Com o objetivo de apoiar a Defesa Civil e o município de Santa Rosa (RS) no combate ao mosquito Aedes aegypiti, as ações foram divididas em duas etapas: a primeira de 21 a 23 de dezembro e a segunda de 28 a 30 de dezembro. Ao todo foram empregados 155 militares da 3ª Divisão de Exército, da 1ª Brigada de Cavalaria Mecanizada e do 19º Regimento de Cavalaria Mecanizado.

 

Acre:

A Operação de Apoio às Ações de Combate ao Mosquito Aedes aegypiti, no Acre, tem como objetivo colaborar com a Secretaria Municipal de Saúde de Rio Branco no combate ao mosquito. A cargo do 4º Batalhão de Infantaria de Selva, iniciou em 21 de dezembro e tem previsão de acabar em 31 de janeiro. Teve, até o momento, 15 militares envolvidos.

 

Distrito Federal:

A Operação Mão Amiga tem por objetivo colaborar na prevenção e no combate aos transmissores da dengue e da febre Chikungunya, trabalhando de forma articulada com a Secretaria de Saúde, o Corpo de Bombeiros e outras agências do Governo do Distrito Federal. Iniciou em 21 de dezembro e já envolveu 118 militares. Existe a previsão de ser finalizada em 17 de junho de 2016. As organizações militares que estão atuando nessa Operação são: o Batalhão da Guarda Presidencial, o Batalhão de Polícia do Exército de Brasília, o 1º Regimento de Cavalaria de Guarda, a Base de Administração e Apoio do Comando Militar do Planalto, o 16º Batalhão Logístico e o 11º Grupo de Artilharia Antiaérea.

 

Fonte: Exército Brasileiro

%d blogueiros gostam disto: