Arquivo do autor:Francisco Santos

Cinco armas russas que o Irã deseja adquirir

A Rússia deverá entregar mísseis antiaéreos S-300 ao Irã até março de 2016 e, por enquanto, não há mais detalhes. A mídia dos EUA supõe que o Irã possa estar interessado em outros armamentos russos.

A entrega dos S-300 vai ajudar o Irã a defender o seu espaço aéreo de aeronaves hostis, diz a revista americana The National Interest.

A presença do sistema S-300 vai tornar as incursões de aviões americanos ou israelenses (que tentam obter informações sobre o programa nuclear iraniano) mais arriscadas do que nunca, explica a edição.

Sistema S-300 de defesa aérea

© AP PHOTO/ IVAN SEKRETAREV – Sistema S-300 de defesa aérea

Em seguida, a revista elaborou uma lista dos armamentos em que Teerã pode estar interessado.

Míssil antinavio Klub

O 3M-54 Kalibr russo é um sistema de mísseis de cruzeiro antinavio. O nome “Klub” (“Clube”) é usado para as suas versões de exportação, a 3M-54E e 3M54E1.

Frota russa no Mar Cáspio.

© FOTO: MINISTRY OF DEFENCE

A revista o descreve como um míssil supersônico. O Klub acelera a Mach 2,9 na fase final de voo e atinge o seu alvo quase verticalmente, o que reduz drasticamente o tempo de reação das defesas antimísseis dos inimigos. Isso pode ser particularmente problemático para as marinhas estrangeiras que operam no Golfo Pérsico.O Klub transporta uma grande ogiva de 400 quilogramas, uma das versões tem o alcance máximo de 300 quilômetros. Uma versão de maior alcance, o Kalibr, foi usada pela Marinha russa no mês passado contra os alvos do Estado Islâmico.

A edição nota que o Irã pode estar particularmente interessado no Klub K, uma versão que é camuflada em forma de contêiner de transporte de 12 metros. O sistema de mísseis é uma unidade autossuficiente que transporta quatro mísseis.

A compra de mísseis antinavio como o Klub daria ao Irã a capacidade de bloquear o estreito de Ormuz, destaca a revista.

Tanque T-90

A compra dos tanques T-90 modernizaria consideravelmente a frota de tanques do Irã. O T-90 é uma continuação do desenvolvimento do T-72. Entrou ao serviço do Exército russo em 1993.

O T-90 é considerado entre os 10 melhores tanques do mundo. Atualmente ele é o principal tanque de guerra de maior sucesso comercial no mercado global.

Tanque T-90.

© SPUTNIK/ GRIGORIY SISOEV – Tanque T-90.

Os maiores clientes são a Argélia (305), o Azerbaijão (114), o Turquemenistão (40) e Venezuela (50 ~ 100). O maior destino de exportação é a Índia que obteve 620 tanques para montagem local e planeja produzir 1.000 tanques localmente.

A principal arma do tanque, um canhão 2A46M, tem capacidade para disparar mísseis guiados antitanque Refleks, o que lhe permite atingir alvos a mais de 4.000 metros, diz a revista.

Caça multifuncional Su-35

O Sukhoi Su-35 é um de dois derivados separados do Su-27. O caça, com um assento único e dois motores, é multifuncional e super manobrável.

Sukhoi Su-35

© FOTO: SUKHOI COMPANY – Sukhoi Su-35

O Su-35 pode atingir alvos tanto no ar como no solo e tem um sistema de segmentação avançada eletro-ótico. O radar Irbis-E pode procurar e alvejar aviões de ataque a uma distância de até 400 quilômetros — e foi projetado para a deteção de aviões furtivos.

Navio de desembarque de classe Ivan Gren (Project 11171)

O navio de desembarque de classe Ivan Gren é um grande navio de assalto anfíbio. Tem um deslocamento de 5.000-6.000 toneladas e é capaz de transportar até 13 tanques, ou 36 veículos blindados ou 300 fuzileiros navais.

O navio de desembarque de classe Ivan Gren

© SPUTNIK/ VIKTOR GUSEINOV O navio de desembarque de classe Ivan Gren

O navio está equipado com armas de autodefesa e uma plataforma de aterrissagem de helicópteros.

Uma encomenda iraniana de seis navios (cada um foi originalmente projetado para custar $ 300 milhões cada) poderia proporcionar ao Irã uma poderosa capacidade anfíbia, considera a edição.

Iskander, míssil balístico de curto alcance

O míssil balístico de curto alcance Iskander é um sucessor do Oka.

O Iskander é um míssil tático projetado para atingir centros de comando e controle do inimigo, radares e instalações de mísseis superfície-ar, aeródromos e outros alvos. O Iskander pode transportar uma carga útil de munições de 450 a 700 kg, incluindo uma ogiva de grande capacidade explosiva ou combustíveis explosivos no ar.

Sistema de mísseis táticos Iskander

© WWW.MILITARYPARITET.COM Sistema de mísseis táticos Iskander

A versão de exportação do Iskander é limitada a 300 quilômetros, no âmbito do Regime de Controlo de Tecnologias de Mísseis. Portanto, isto é suficiente para atingir um número de alvos econômicos, políticos e militares nos países do Golfo, diz a edição.

Fonte: http://br.sputniknews.com

Especial: Aviões presidenciais da América do Sul

Por Francisco Santos

Belo Horizonte – O Guerra & armas começa hoje uma série de reportagens especiais sobre os aviões presidenciais da América do Sul. O cargo de presidente exige incontáveis viagens pelo país e para nações estrangeiras visando a busca de acordos financeiros, participação em encontros, congressos e encontros com líderes e personalidades estrangeiras, por isso um meio de transporte rápido e viável torna-se necessário para atender as necessidades do mandatário, ao longo das matérias vamos trazer os modelos e tipos de aviões dos chefes de estado da América do Sul.

Uruguai

Vamos começar com a ex-província brasileira da Cisplatina, território que já pertenceu ao nosso país, o Uruguai é hoje o terceiro menor país da América do Sul em população, com população estimada em 3.350.500 milhões de habitantes, de acordo com censo de 2008  e PIB de US$ 69,777 bilhões. O país possui apenas 176.215 km², sendo menor que muitos estados brasileiros, com isso não é necessário um avião de grande alcance e autonomia para viagens nacionais. O atual presidente do país é Tabaré Vázquez.

ERJ-145-PhotoSports-ca-580x417

Jato Embraer ERJ-135 recondicionado (ex-American Eagle)

 A Força Aérea Uruguaia (FAU) utiliza um  jato Embraer ERJ-135 (foto acima) recondicionado da extinta empresa American Eagle dos EUA que foi financiado pelo governo brasileiro. O Jato veio a substituir o EMB-120 Brasília que servia como transporte dos presidentes do país desde 1999 (Foto abaixo).

0204553

EMB-120 Brasília VIP da Força Aérea Uruguaia

O governo uruguaio conta ainda com um helicópteros Dauphin, adquirido em 1998 pelo então presidente uruguaio  Sanguinetti (Foto abaixo).

19527

Airbus Helicopters AS365 Dauphin, usado como transporte VIP pela FAU.

Guerra & Armas. Todos os direitos reservados.

Foguete explode antes de lançamento na base de Alcântara (MA)


Foto mostra o lançamento do 12º Foguete de Treinamento Intermediário, com sucesso em Alcântara , no dia 30 de Outubro 2015. Foto – CLA/FAB

Um foguete  explodiu instantes antes de ser lançado, na tarde de sexta-feira (13), no Centro de Lançamento de Alcântara (CLA), no litoral do Maranhão. Apesar do prejuízo, não houve feridos. Não se sabe ainda o que causou o acidente.

O problema ocorreu no lançamento do foguete, às 14h20. Segundo o centro, a falha aconteceu durante a operação de lançamento do Satélite de Reentrada Atmosférica (SARA). “Houve uma falha do motor do veículo VS-40M no momento da ignição que causou a sua perda”, disse o órgão, em nota.

Ainda segundo o centro, o foguete ainda estava na rampa de lançamento e não chegou a decolar. “Todos os procedimentos de segurança foram adotados e não houve riscos a nenhum dos profissionais envolvidos.”

Junto com o satélite, também estava embarcado outro experimento, em fase de qualificação, desenvolvido pela UFRN (Universidade Federal do Rio Grande do Norte): um GPS de aplicação espacial. Não se sabe se o aparelho foi destruído.
Uma comissão será designada para investigar as causas do acidente.

Por conta da explosão, a área de lançamento está isolada. Desde o fim de outubro a base espacial vinha efetuando lançamentos de foguetes não tripulados como parte da Operação São Lourenço.

No último dia 30 de outubro, a equipe lançou o FTI (Foguete de Treinamento Intermediário) para treinar e avaliar os procedimentos do CLA para o lançamento do foguete suborbital VS-40M V03.

Na ocasião, o  coronel aviador Cláudio Olany Alencar de Oliveira disse que o lançamento ocorreu dentro do planejado.  “Foi altamente proveitoso e demonstrou que estamos prontos para realizar o lançamento do foguete suborbital VS-40M V03. Foi importante o teste com o dispositivo de teledestruição remota, utilizado pela primeira vez em um foguete de treinamento, como parte da preparação dos meios e do pessoal que atua na Operação São Lourenço”, disse após a operação.

Operação São Lourenço

A Operação São Lourenço tem por objetivo realizar o lançamento e o rastreio do foguete orbital VS-40M V03, a partir do CLA, dentro da trajetória planejada, transportando a plataforma espacial SARA (Satélite de Reentrada Atmosférica), desenvolvida pelo IAE, a fim de testá-la em voo suborbital, portando um receptor GPS, em fase de qualificação, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), além de assegurar a aquisição de dados durante o voo para qualificação de sistemas do veículo e da carga-útil, o módulo de experimentos.

Antes do lançamento do VS-40M, foi realizado o lançamento de um Foguete de Treinamento Intermediário (FTI) para avaliar o apronto dos meios e procedimentos operacionais do CLA. A Operação São Lourenço é apoiada pela Agência Espacial Brasileira (AEB). Este lançamento ocorreu com êxito no dia 30 de Outubro.

Programa Espacial

A FAB tem como missão estabelecida na Estratégia Nacional de Defesa (END) o domínio da área espacial. As tentativas de retomada dos programas espaciais especialmente após a explosão do VLS, em agosto 2003, com o perda de 21 vidas levou a uma paralisação de todos os esforços mais significativos.

Fonte: Defesanet

Conheça a Força Aérea do Paraguai

Texto: Hélio Higuchi e ALIDE

 Um breve histórico

T-27 da FAP ao lado de C-95 da FAB

A aviação militar paraguaia teve sua origem no início da década de 20, com a criação da Escuela de Aviacion Militar que era subordinada ao exército. Com a crescente importância da aviação foi criada em 1927 a Fuerza Aérea Del Ejercito Nacional Paraguayo com grande auxílio da França.

Em julho de 1932, com menos de uma década de existência a força teve seu batismo de fogo. A Bolívia acabava de deflagrar uma guerra que seria conhecida como Guerra do Chaco. O uso da aviação foi intenso por ambas as partes e foram efetuadas missões de reconhecimento, observação, transporte, bombardeio e de defesa aérea. Em 4 de dezembro do mesmo ano ocorreu o primeiro abate de uma aeronave em combate aéreo nas Américas. Um Potez 25 A.2 paraguaio havia sido atacado e destruído por três Vickers Scout bolivianos. Após esse episódio, os combates continuaram ocorrendo ao longo do conflito com vitórias para ambos os lados. Finalmente as hostilidades terminaram em 1935 com os dois países em total esgotamento.

Finalmente em 1989 a força aérea passa a ser independente do exército, recebendo o nome de Fuerza Aérea Paraguaya. Mesmo sendo independente a situação não mudou e a escassez de recursos continuou ao longo de sua existência.

 Visita a Base Aérea de Ñu-Guazú da Força Aérea Paraguaia (FAP)

A Força Aérea Paraguaia é uma pequena força militar, e com poucas fotos disponíveis para pesquisadores. O maior pesquisador paraguaio de assuntos aeronáuticos é sem dúvida o Sr.Antonio Sapienza Fracchia, e através dele e do General Gregor, Comandante da Base Aérea de Ñu-Guazú, consegui a devida autorização para visitar e fotografar os aviões desta base aérea.

Situada na capital do Paraguai – Assunción , a Base Aérea de Ñu-Guazú( Campo Grande na língua guarani) tem a sua pista de pouso compartilhada com o Aeroporto Internacional  Silvio Pettirossi e abriga a espinha dorsal de sua força aérea.

Passe o mouse sobre as fotos e veja as legendas.
os 3 T-33 da FAP estão ainda em condições de vôo,porem faltam os cartuchos ods assentos ejetores.Note que o esquema de pintura é diferente entre eles.Quando vieram de Taiwan possuíam o mesmo esquema de cores Xavante FAP1010 no hangar.Este avião necessita de reparos para poder colocar em condição operacional Line up dos 3 Xavantes em condições de vôo (FAP1004,1005 e 1009) em seus abrigos Tucano FAP1053
 Grupo Aerotático (GAT)

É a única unidade aérea de combate da Fuerza Aérea Paraguaya e está dividida em três esquadrões.

O 1º Escuadrón de Caza “Guarani” está equipado com os EMBRAER EMB-326GB Xavante e está dividido em duas esquadrilhas: “Orion” e “Centauro”. Em 1979 o Governo Paraguaio encomendou nove unidades (FAP 1001 a 1009), sendo que em junho de 1980 todos os aviões já se encontravam operacionais. Em setembro do mesmo ano, o FAP 1008 sofreu um acidente, e com isso a FAP decidiu repor essa perda comprando mais uma célula (FAP 1010) que chegou ao país em 1982.

Atualmente essas aeronaves não estão em operação devido aos custos operacionais, e somente três delas estão em condições de vôo e outras duas necessitam de pequenos reparos. Recentemente foram oferecidos ao Brasil para permutar com sete T-27 Tucano, sendo que quatro desses Tucanos viriam do 3°/3°GAv. Uma delegação da FAB foi enviada ao Paraguai para a inspeção dos Xavantes, que possuem apenas 3.000 horas de vôo.

O 2° Escuadrón de Caza “Índios” está equipado com os antigos Lockheed AT-33 A e  também está dividido em duas esquadrilhas: “Taurus” e “Escorpio”. O Paraguai recebeu na década de 80 seis unidades doadas por Taiwan. Hoje apenas três aeronaves aparentam estar em condições de vôo, porém estão inativas devido a falta de cartuchos dos assentos ejetáveis. Elas seriam substituídas por alguns Northrop F-5E Tiger, também a serem doados por Taiwan, porém diante do veto dos EUA e também pelo alto custo operacional, a substituição não foi efetivada.

O terceiro esquadrão é o Escuadrón de Reconocimiento y Ataque “Moros” e opera os três únicos EMBRAER EMB-312 Tucano atualmente no inventário da FAP. Assim como os outros dois esquadrões, esse também é dividido em duas esquadrilhas. “Gama” e “Omega”.

Aeronaves do GAT:

03 EMBRAER EMB-312 T-27 Tucano (matrículas FAP 1051,1052 e 1053)

05 EMBRAER EMB-326GB Xavante (matrículas FAP 1004,1005,1007,1009 e 1010)

03 Lockheed AT-33A (matrículas FAP 1020,1021 e 1024)

 Grupo Aéreo de Transportes Especiales (GATE)

É equipado com uma grande variedade de aviões de transporte, sendo responsável pelo transporte de tropas e de autoridades(VIP). Sua principal aeronave sem dúvida é o Boeing 707-321B (ex- Líneas Aéreas Paraguayas-LAP) que serve como avião presidencial. Na ocasião da visita a base, a aeronave estava com o escudo da Federación Paraguaya de Futbol pintado na fuselagem.

Cabine do Boeing 707 presidencial Boeing 707 presidencial FAP4001 O Twin Otter FAP02 que já foi avião presidencial Cabine do Aviocar 400

Outro avião de destaque no GATE é o DHC-6 Twin Otter que foi usado como aeronave presidencial durante o governo do Presidente Alfredo Steroessner.

Durante a visita foi observada a presença dos veteranos Douglas C-47. Apesar de não terem sido oficialmente desativados eles não voam mais, e estão sendo sucateados.

Os quatro aviões CASA C-212-200 Aviocar e um novíssimo CASA C-212-400, que possui apenas 180 horas de vôo, são os principais vetores de transporte e utilizados inclusive pela Brigada Aerotranspotada.

CASA Aviocar 400 FAP 2035 em revisão de 180 horas de vôo Cessna 402 Businessliner FAP 0222 em manutenção ENAER Pillan FAP0112 pertence a Base Aérea de Concepción, mas as revisões são feitas em Ñu-Guazú Cessna 210 Centurion FAP0210

Aeronaves do GATE:

01 Boeing 707-321B (matrícula FAP 4001)

01 De Havilland Canada  DHC-6 Twin Otter (matrícula FAP 4002)

03 Douglas C-47 (matrículas FAP 2010,2030 e 2032)

04 CASA C-212-200 Aviocar (matrículas FAP 2027,2029,2031 e 2033)

01 CASA C-212-400 Aviocar (matrícula FAP 2035)

01 Cessna U206C/G Stationair II

01 Cessna 210N Centurion (matrícula FAP 0210)

02 Cessna 402  Businessliner (matrículas FAP 0221 e 0222)

01 Piper PA-32 Lance

 Grupo Aéreo de Helicópteros (GAH)

Unidade responsável pelos helicópteros da FAP. Realiza missões de evacuação aeromédica, transporte, busca e salvamento(SAR) e ataque. Possui em seu inventário sete helicópteros Bell UH-1H que foram doados por Taiwan, três Helibrás HB-350 Esquilo e um Hughes 269.

Aeronaves do GAH:

07 Bell UH-1H (matrículas FAP H-0430,0431,0432,0433,0434,0435 e 0436)

03 Helibrás HB-350 Esquilo (matrículas FAP H-025,026 e 027)

01 Hughes 269 ( matrícula FAP H-029)

Hughes 269 FAP-029 Esquilo FAP H-026 3 dos 7 UH-1H recebidos de Taiwan Bell UH-1B Iroquois da DINAR PR-H-004
 Mais unidades em Ñu-Guazú

Além destes Grupos Aéreos a Base Aérea de Ñu-Guazú abriga a Brigada Logística, aonde é feita a manutenção IRAN (Inspection and Repair As Necessary) de todas as aeronaves da Força Aérea. Abriga também um PZL- 140 Wilga 80 (matrícula FAP 0225) que é utilizado para missões SAR e dois North American T-6 (matrículas “1” FAP 0119 e “2” FAP 01239) da esquadrilha acrobática “Ara Sunú”, porém não voam mais.

Também são baseados em Ñu-Guazú três aviões do Ejército Paraguayo , sendo eles um Beech Baron 58 (matrícula TE-02), um Cessna U206 (matrícula TE-01) e Cessna 310R (matrícula TE-03), bem como os três helicópteros Bell UH-1B do DINAR(División de Narcotráfico) que não estão operacionais desde 1998.

Uma curiosidade polemica é que durante a visita foram vistos militares da USAF em Ñu-Guzú.

Beech Baron TE-02 do Ejercito Paraguayo Cessna U-206 TE-03 do Ejercito Paraguayo O T-6 “2” FAP01239 da esquadrilha acrobática “Ara Sunú” já não voa mais O Wilga Polonês é utilizado para missões SAR

A FAP, assim como a grande maioria das forças armadas latino-americanas, sofre com a falta de recursos financeiros para a aquisição de meios modernos e até mesmo para a manutenção dos meios já existentes. Mesmo com todos esses problemas a FAP participou em 2005 do exercício PARBRA I com a Força Aérea Brasileira. O exercício possuía o objetivo estabelecer procedimentos para uma maior eficácia no combate aos tráfegos ilícitos, e empregou as aeronaves Cessna 402, T-27 Tucano e C-212 com grande êxito.

Fonte: http://www.alide.com.br/artigos/fap/

Aeronaves de combate, blindados, satélites e radares… As Forças Armadas Paraguaias em busca urgente de material de defesa para combater ao EPP

Segundo as autoridades militares paraguaias, o principal problema enfrentado atualmente pelas Forças Armadas continua sendo a falta de tecnologia para enfrentar ao chamado “Ejército del Pueblo Paraguayo”. Esta necessidade urgente altera todos os roteiros previstos para adquirir de forma programada este tipo de material nas diferentes Forças, pois os planos de compra, os quais se estendiam até 2025, ficam reduzidos a vários meses.  A procura seria por fornecedores com amplo apoio dos seus governos, para assim adquirir equipamentos em pacotes, com todos aqueles items que forem precisos para o seu uso imediato.
Entre as necessidades do momento, podem ser mencionadas aeronaves de combate, lanchas, blindados, radares, e uma grande lista, a qual poderia se tornar numa oportunidade para muitos grupos do setor Defesa, hoje sentindo o rigor da crise econômica europeia, se contrapondo ao atual auge da economia paraguaia.
Uma das principais carências das FFAA seria a falta de satélites para captar imagens em tempo real, um investimento próximo aos 200 milhões de dólares, de acordo com os próprios militares, que analisam também a opção de alugá-lo para outro país, de ser obtida a aprovação apropriada

Também as autoridades estão buscando  equipamentos de guerra eletrônica para controlar e desenvolver medidas e contra medidas. Outra necessidade sentida, que deve ser imediatamente corrigida é a falta de UAV para as diferentes forças. Atualmente está sendo analisado o mercado para onde decidir a compra. Veículos de reconhecimento tático, veículos blindados, são outros dos elementos importantes que precisam neste momento, as Forças Armadas do Paraguai. (Tomas Velazquez, correspondente no Paraguai).

Fonte: Defensa.com

Falta de militares preocupa Forças Armadas do Paraguai

Milicos

Por, Dante Quadra

Com uma população de 6,687 milhões de habitantes, conforme o último recenseamento demográfico feito em 2012, o Paraguai começa a se preocupar com o baixo número de jovens dispostos a seguir carreira militar. Atualmente as Forças Armadas da Nação contam com 17.761 homens, sendo 13,346 oficiais e apenas 4.370 soldados.

Na tentativa de trazer mais jovens ao trabalho militar, as Forças Armadas começaram uma campanha para restabelecer o Serviço Obrigatório. Para isso, o comando das Forças Armadas do país vizinho tenta chamar os interessados oferecendo um salário mínimo, que no Paraguai é de 1.658.232 guaranis por mês (US$ 385), além de alojamento, instruções, comida, serviço de saúde e a oportunidade de aprender alguma profissão, como carpintaria, eletricista, mecânica ou encanamento.

Para servir ao país, o cidadão precisa ter 18 anos e apresentar identidade ou certidão de nascimento. Para servir às forças armadas, seja Exército, Marinha ou Aeronáutica, a pessoa precise ser de nacionalidade paraguaia. No entanto, muitos militares se confundem com brasileiros, tanto na aparência, quanto pelo sotaque. Acontece que a maior colônia de estrangeiros no Paraguai é a brasileira e muitos desses descendentes, conhecidos como brasiguaios, optaram por servir voluntariamente a terra adotada pelos pais.

Fonte: Rádio Cultura Foz do Iguaçu

Restrições orçamentárias impedem exibição da aviação naval uruguaia

Francisco Santos

Belo Horizonte – Os aviões e helicópteros da Armada uruguaia (Marinha) que realizam os tradicionais  voos sobre a costa de Montevidéu na comemoração do Dia da Armada que é comemorado hoje 15 de novembro, e será comemorado na segunda-feira 16 (O Guerra & Armas não conseguiu saber o motivo, mas provavelmente se deve ao fato do dia 15 cair no domingo), não voarão este ano, devido a falta de dinheiro que atinge a força naval do país, bem como as demais forças militares, com o quadro de falta de orçamento a força implementou medidas radicais para cortar custos e tentar estancar um pouco a falta de recursos , além da suspensão de apresentações aéreas estão suspensos também as operações e treinamentos binacionais e treinamento de operações SAR, tentando assim manter uma minima operacionalidade.

Recentemente a Aviação Naval uruguaia mostrou um nível razoável de operacionalidade com a Marinha do Brasil, na operação conjunta, “Atlantis III”, a Aviação Naval mostrou um bom nível de prontidão, com a participação de duas aeronaves de asa fixa – um Beechcraft B-200, um T- 34C1C- e um helicóptero Bo-105, que recententemente mostrou excelente desempenho no  transporte aéreo de Saúde (Resgate Aéreo), aliado a isto a Aviação Naval do país sempre se destaca como excelente em manutenções de aeronaves ATR.

O comandante da frota, o contra-almirante Daniel Menini, concedeu entrevista a mídia local onde  advertiu que, para a manutenção, toda a força naval uruguaia tem menos de 30.000 dólares por mês, o contra-almirante também informou que a força precisa urgentemente de helicópteros para salvamento-SAR, navios OPV e uma rede de vigilância costeira certificada VTS, elementos sem os quais apresentam perigo significativo para a exploração de petróleo sob a costa  uruguaia.

Guerra & Armas, todos os diteiros reservados.

%d blogueiros gostam disto: