Marinha avalia reforma do maquinário do porta-aviões São Paulo

porta

O porta-aviões São Paulo está boiando sem função na Baía da Guanabara (RJ).

O casco está bom mas o maquinário já era. A Marinha do Brasil pretende reformar o motor. Criou comitê no setor de material para fazer um diagnóstico da propulsão e sistemas no entanto os recentes contingenciamentos do já escasso orçamento de Defesa jogou por água abaixo a pretensão da marinha, com a recente compra do Navio de Apoio Logístico “Bahia” ex-Siroco junto a França o orçamento ficou ainda mais no vermelho, levando a Marinha a repensar a aposentadoria forçada de alguns navios a exemplo da Corveta Imperial Marinheiro.

Anúncios

Sobre Francisco Santos

Jornalista e Editor.

Publicado em 05/10/2016, em Marinha, Notícias e marcado como , , , , , , . Adicione o link aos favoritos. 7 Comentários.

  1. Um gasto enorme; em um porta aviões usado que a França ja estava aposentando; agora parado; muitos da midia mencionan qye temos um porta aviões, mas se precisássemos dele ; nao daria para usar .APENAS PRA INGLES VER….

    Curtir

  2. O SUCATÃO nunca teve nenhuma utilidade e a desculpa de existir para atualizar a Marinha não serve, pois operacionalmente nunca funcionou. Trata-se de um casco e um maquinario que agora deveria ser substituido. O frances iria mandar para o desmonte e o Brasil comprou o “abacaxi”. O ruim disso tudo foi o desaparelhamento de todas as forças armadas, sendo o SUCATÃO apenas parte. Agora vão desativar mais navios em razão do orçamento. A Força Aérea tem dificuldades para sair do chão; O Exercito tem uns tanquinhos de segunda mão. Infelizmente nossas forças armadas estão em estado de penuria e ate o combustivel e alimentação estão racionados. Meus parabens a esse governo que destruiu tudo

    Curtir

  3. Três sugestões ao Min Defesa do Brasil sobre o destino a dar ao nosso “porta-aviões”:
    1) Transformá-lo em museu flutuante e ambulante com ingresso e estadia pagos;
    2) Fazer dele alvo para o EB, FAB e MB calibrarem suas pontarias;
    3) Vende-lo a “potências” como Paraguai, Bolívia, Haití, ou até mesmo à Argentina pra se livrar dele.

    Curtir

  4. Edison Sampaio

    O “São Paulo” já era quase obsoleto quando nos foi empurrado. Não sei ao certo, mas acho que foi comprado da França. Não opino sobre sua utilidade como porta-aviões na atualidade, mas se tiver que ser descartado, como fizeram absurdamente com o “Minas Gerais”, que o transformem num presídio flutuante, ancorado próximo a um local infestado de tubarões. O “São Paulo” seria um excelente lugar para se instalar mensaleiros e petroleiros. Lula seria o comandante (kekeke!!!). Mas, brincadeiras à parte, voltando ao “Minas Gerais”, porque o descartaram? Seria mesmo um excelente espaço para um presídio flutuante ou um museu, como sugeriu “Rate This”. Preferiram colocá-lo para desmanche em alguma praia asiática (Índia, me parece). Abrçs!

    Curtido por 1 pessoa

  5. O Brasil deveria se dar ao respeito e pensar grande; proporcional a sua dimensão territorial e suas potencialidades, que são muitas.
    O alinhamento, político e ideológico, de nossos militares com os Americanos só rendem bons frutos a eles; enquanto deveríamos ter a nossa própria política, independente, de acordo com nossos interesses e necessidades.

    Curtir

  6. Hola! …o NAe São Paulo era a nau capitanea da marinha francesa FOCH e foi construido para plataforma de asas fixas ETANDART e reconhecimento turbohelice HALIZEE. Não nos serviria porque voamos aviões americanos SKYHAWK comprados de segunda mão do KUWAIT e seus sistemas de enganche nas catapultas modelo frances do A-12 não são compatíveis. Se fosse reformar o CONVOO e novas catapultas e sistema de sinalização a bordo estilo US NAVY ficaria uma fortuna, tendo que desmantelar todo o convoo e decks. Depois o maquinário está tão deteriorado que já houve acidentes com mortes de marinheiros por explosão dos dutos de vapor alta pressão! …seria necessário trocar tudo e no final construir um novo caco nos seria mais barato! …seria sim um belo “duck sitting” para visitação pública mas até que ponto mantê-lo flutuando seria rentável para a Marinha? ferro velho seria o destino final porque não pode ser naufragado como alvo naval devido aos materiais usados no navio que provocariam uma contaminação gravissima no local do seu “túmulo” submarino!

    Curtido por 1 pessoa

Esse espaço é para debate de assuntos relacionados ao Blog, fique á vontade para comentar!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: