Novo comboio de ajuda humanitária chega a cidade síria sitiada

Um novo comboio de ajuda humanitária chegou nesta quinta-feira (14) à cidade síria de Madaya, onde os habitantes sofrem com a fome após meses de cerco das forças governamentais.

Dezenas de caminhões carregados com alimentos e medicamentos abandonaram pela manhã Damasco rumo a Madaya, uma cidade de 40 mil habitantes situada 40 km a oeste da capital.

A ONU e as potências ocidentais criticaram com firmeza o ataque das forças do regime de Bashar al-Assad nesta localidade, onde mais de 20 pessoas morreram de fome, segundo organizações humanitárias.

A ONU também pediu a evacuação de cerca de 400 habitantes de Madya que precisam de cuidados médicos de forma imediata.

Um porta-voz do Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICR), Pawel Krzysiek, anunciou que um comboio de 44 caminhões com ajuda humanitária se dirigia de Damasco a Madaya.

“A prioridade é a farinha de trigo e os produtos de limpeza”, disse.

O comboio também transportava equipes médicas, incluindo um nutricionista do CICV que prestará atendimento aos habitantes, acrescentou.

Imagem chocante mostra jovem desnutrido por falta de alimentos em Madaya, na Síria (Foto: Local Revolutionary Council in Madaya/AP)Imagem chocante mostra jovem desnutrido por falta de alimentos em Madaya, na Síria (Foto: Local Revolutionary Council in Madaya/AP)

Enquanto isso, outro comboio de 17 caminhões partiu de Damasco para levar ajuda aos 20 mil habitantes das localidades xiitas de Fua e Kafraya, sitiadas pelos rebeldes na província de Idleb (noroeste).

O governo já permitiu na segunda-feira que dezenas de caminhões levassem ajuda humanitária a estas três cidades, pela primeira vez em quatro meses.

Entregas nos próximos dias
O Escritório para a Coordenação de Assuntos Humanitários da ONU afirmou que haverá uma terceira entrega de ajuda nos próximos dias.

Caminhões com o logotipo do Crescente Vermelho sírio avançavam enfileirados em uma estrada dos arredores de Damasco, disse um fotógrafo da AFP.

Pequenos veículos com a bandeira azul da Agência da ONU para os Refugiados (Acnur) lideravam o comboio.

“Ficamos animados em ter conseguido alcançar estas cidades onde milhares de pessoas estão presas há muito tempo”, declarou o coordenador de assuntos humanitários da ONU na Síria, Yacub el Hillo.

Ele reconheceu que as entregas em Fua e Kafraya podem ser adiadas por culpa das complexas medidas de segurança impostas na zona, mas disse esperar que as operações possam prosseguir.

Menino aparece em imagens de vídeo feito nesta terça-feira (5) em Madaya, na Síria, onde civis estão morrendo or falta de mediamentos e comida (Foto: REUTERS)
Menino aparece em imagens de vídeo feito na última terça-feira (5) em Madaya, na Síria, onde civis estão morrendo or falta de mediamentos e comida (Foto: REUTERS)

“A verdadeira solução para esta situação, para os apuros da população sitiada nestas localidades é que o cerco seja levantado”, considerou El Hillo.

Segundo ele, a Organização Mundial da Saúde (OMS) iniciou negociações diretas com as autoridades sírias para conseguir uma retirada segura dos habitantes de Madaya, que precisam de atendimento médico urgente.

“Encontramos casos muito urgentes em Madaya que precisam ser transferidos rapidamente ao hospital. Esperamos que isto ocorra nos próximos dias”, disse El Hillo.

Cuidados médicos necessários
Uma menina de oito anos que precisava de atendimento médico especializado pôde sair de Madaya e se dirigir a Damasco junto aos seus pais, onde está recebendo tratamento, explicou El Hillo.

O enviado da ONU para a Síria, Staffan de Mistura, afirmou na quarta-feira que as potências mundiais tentarão alcançar uma ação imediata para prestar ajuda às zonas sitiadas na Síria, após uma reunião em Genebra com os embaixadores dos membros permanentes do Conselho de Segurança das Nações Unidas: Reino Unido, China, França, Rússia e Estados Unidos.

Fua, Kafraya, Madaya e o reduto rebelde de Zabadani eram alvos de um cessar-fogo assinado pelos rebeldes e pelo regime em setembro.

O governo de Assad e a ONU defenderam este tipo de tréguas locais como uma maneira de colocar fim aos combates na Síria, onde mais de 260 mil pessoas morreram desde 2011.

Uma nova rodada de negociações de paz deve ser realizada em 25 de janeiro em Genebra, apesar do temor de que as tensões diplomáticas entre Irã e Arábia Saudita, que apoiam grupos distintos na guerra, possam prejudicar o processo.

 

Fonte: G1

Sobre Francisco Santos

Jornalista e Editor.

Publicado em 01/14/2016, em Notícias, ONU, Oriente Médio, Síria e marcado como , , , , . Adicione o link aos favoritos. 3 Comentários.

  1. Renilson Almeida

    Que tal abordar as forças armadas da Síria atual?

    ________________________________

    Curtir

  2. QUE TAL ABORDAR AS FOMES ARMADAS DA SÍRIA ATUAL (EU disse FÓMES) E as fomes no Mundo Todo. Tem coisa mais importante do que a FOME????

    Curtir

  3. eadem@ig.com.br

    Essas localidades legalmente pertencentes à Síria são sedes de comandos de mercenários sustentados e pagos pelos EUA para subverterem às ingênuas populações civís sírias para apoiá-los a derrubarem o governo legal do presidente Assad, que tem resistido às investidas dos jagunços a mando dos EUA há pelo menos três anos.

    Assad nunca proibiu comboios com ajuda humnanitária, mas o problema é que os EUA usam esses comboios para levarem armas e munições não só para os rebeldes sírios, mas também para os terroristas do ISIS.

    Na verdade, enquanto Assad defende os legítimos interesses da Síria e do seu povo, os EUA aliados a outras quadrilhas de crime organizado como Turquia, Israel e Arábia tentam conquistar o Afeganistão, o Iraque e a Síria para tomar-lhes o petróleo e seus oleodutos.

    Como o governo americano do presidente Macaco Obanana age como pirata, é lícito qualquer cidadão do mundo matar americanos, israelenses e turcos em legítima defesa.

    E é o que os sírios e palestinos estão fazendo com relativo sucesso!

    Curtir

Esse espaço é para debate de assuntos relacionados ao Blog, fique á vontade para comentar!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: