Desiludidos com Obama, sauditas consolidam liderança militar regional, e já coordenam ações em 3 pontos do mundo árabe

Sauditasabre

Artilharia saudita em ação contra os rebeldes houtis que, apoiados pelo Irã, tentam controlar o Iêmen

Após se desiludir com a política de Defesa da Administração Barack Obama para o Oriente Médio, o governo da Arábia Saudita vem, nos últimos dois anos, buscando consolidar sua posição de potência militar regional.

Mais do que isso: mercê dos recursos advindos da comercialização de petróleo e derivados, Riad intensifica suas estratégias de Segurança e manobras táticas em três pontos do Oriente Médio: no Norte da África, no Iêmen convulsionado pelos rebeldes da etnia houti, e na tríplice fronteira do Líbano e da Síria com a Jordânia, ameaçada pelos terroristas do Estado Islâmico (EI).

É essa vocação para a liderança em assuntos de Defesa que, segundo o jornal francês Le Monde, está por trás do anunciado interesse conjunto de Riad e do Cairo na compra dos dois porta-helicópteros de assalto anfíbio da classe francesa Mistral – unidades construídas originalmente para a Marinha russa e que estão, agora, disponíveis no porto de Saint Nazaire.

Os navios ainda aguardam uma equipe de especialistas da Força Naval da Rússia, que irá desmontar equipamentos sigilosos de comunicações e outros sensores que compõem a aparelhagem-padrão das suas embarcações, e já haviam sido instalados nos porta-helicópteros.

SaudidoisMistral

Os dois porta-helicópteros franceses da classe Mistral que o governo saudita planeja comprar em conjunto com o Egito, a fim de formar uma força de intervenção marítima no Mar Velho e no Mar Mediterrâneo

De acordo com o site americano Defense.news, os sauditas desejam que o Egito organize uma força de intervenção marítima estruturada sobre a capacidade dos dois navios Mistral de transportar ao menos 1.000 combatentes completamente equipados, além de veículos blindados e helicópteros de diferentes porte e empregos.

Cenários – A essas embarcações poderiam ser atribuídas diferentes missões no Mar Vermelho e no Mar Mediterrâneo como, por exemplo, garantir um núcleo de governabilidade em algum ponto do turbulento território líbio – retalhado entre diversas facções políticas armadas –, contribuir para um eventual bloqueio do litoral da Síria ou, até, reforçar a Força-Tarefa Marítima das Nações Unidas (comandada pela Marinha do Brasil) em alguma iniciativa de emergência no litoral libanês.

Tropas sauditas compostas por unidades terrestres de elite e blindados já operam dentro do Iêmen, para eliminar a influência dos rebeldes houtis, apoiados pela República Islâmica do Irã.

Ao aumento do trânsito de navios civis e militares iranianos ao largo da costa iemenita, os sauditas responderam, recentemente, com a divulgação de um amplo programa de reaparelhamento da força de superfície da sua Marinha.

Saudi Navy

A força de superfície da Marinha saudita está sendo renovada; as embarcações vistas na foto foram construídas pela BAE Systems, do Reino Unido

Há menos de dois anos, o jornal alemão Bild revelou que os sauditas negociavam a aquisição de cinco submarinos alemães de defesa costeira IKL 209 por 2,5 bilhões de Euros (à época, 3,4 bilhões de dólares), e que seu planejamento de longo prazo previa a aquisição de mais 25 submersíveis, ao custo de 12 bilhões de Euros.

Líbano – Em outra linha de ação, os sauditas vêm financiando o reequipamento das forças armadas libanesa e jordaniana.

O objetivo é torna-las capazes de enfrentar os militantes do EI que já controlam amplas zonas do Iraque e da Síria, ameaçando diretamente as fronteiras do Líbano e da Jordânia.

Riad abriu um crédito de 3 bilhões de dólares para o reaparelhamento das Forças Armadas do Líbano – em sua maior parte com armamentos franceses. Uma quantia ainda modesta se comparada aos 4 bilhões de dólares que os sauditas prometeram ao Egito.

A Jordânia também obteve de Riad um compromisso de apoio, mas que não deverá ser apenas financeiro; precisará ser também político. Por exemplo: o Exército jordaniano solicitou a autorização de Washington para comprar algumas baterias de lançadores múltiplos americanos de foguetes terra-terra, mas essa permissão foi negada.

Jordanian soldiers stand guard at the Iraq-Jordan border last year. Jordan also shares a border with Syria and has had to deal with a flood of refugees from both its neighbors over the past decade.

Soldados jordanianos guardam um posto da fronteira de seu país com o Iraque

Mísseis – Nos últimos meses, os militares sauditas se deixaram assessorar, de forma crescente, por conselheiros das Forças Armadas do Paquistão.

Os paquistaneses estão tentando interessar a aviação militar saudita numa co-produção do caça-bombardeiro leve sino-paquistanês JF-17, e assistem de perto a nova Força Real de Mísseis Estratégicos da Arábia Saudita, criada como um ramo independente das Forças Armadas.

O desenvolvimento dessa tropa causou um particular incômodo aos estrategistas americanos.

Saudiemblema

Emblema da recém-criada Força Real de Mísseis Estratégicos da Arábia Saudita

Mas Riad já havia se desiludido antes com Barack Obama.

Isso aconteceu quando o presidente americano primeiro recusou-se a apoiar um plano israelense de bombardear instalações nucleares do Irã (iniciativa que os americanos substituíram por uma longa negociação diplomática de limitação das atividades nucleares iranianas), e depois quando Washington negou-se a liderar uma intervenção militar internacional – que teria o apoio do governo do presidente francês François Hollande e do Egito – para derrubar o ditador sírio Bashar Al-Assad.

Desde 2011, a guerra civil na República Árabe da Síria já matou mais de 250.000 pessoas, e forçou 2,2 milhões de sírios a abandonarem suas casas.

Fonte: Plano Brasil

Anúncios

Sobre Joshua Duarte

Gosto de Filmes e livros de ficção, fantasia (principalmente Héry Póty), história e + ou - Best Seller. Odeio Gente idiota, ignorante, Poser, e que só sabe falar bem ou mal de PT e PSDB, pq pra mim é tudo a mesma bosta. Haaaaaa!!! Quase que eu esqueço, adoro rock e odeio funk, por mim, poderia cair um raio em cima de tudo que for funkeiro.

Publicado em 08/22/2015, em Mundo e marcado como , , , , , , , . Adicione o link aos favoritos. 1 comentário.

  1. É melhor eles que são árabes que se entendam. Enquanto isso dão descanso para o resto do mundo.

    Curtir

Esse espaço é para debate de assuntos relacionados ao Blog, fique á vontade para comentar!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: