Chefe da Flotilha do Pacífico faz voo de espionagem no Mar da China Meridional

P-8A-Poseidon-em-Jacksonville-foto-USN

Após dar garantias de que os Estados Unidos estão prontos para agir no Mar da China Meridional se necessário, o novo comandante americano da Flotilha do Pacífico passou o fim de semana a bordo de um polêmico avião de espionagem, conhecendo o disputado pedaço de oceano.

Em fevereiro, o Pentágono começou o lançamento de seu avião de espionagem P-8A Poseidon, baseado em bases militares nas Filipinas. A aeronave de reconhecimento mais avançada do Pentágono é capaz de combater tanto submarinos quanto embarcações na superfície. As operações americanas de monitoramento no Mar da China Meridional incomodou o governo chinês. A porta-voz do Ministério de Reçaões Exteriores solicitou publicamente que os Estados Unidos “continuassem racionais” e cessassem “atos mal planejados.”

Almirante Swift observa operações a bordo do P-8A Poseidon

Washington, entretanto, não demonstrou intenção de reduzir suas operações de monitoramento na região. No sábado, o novo comandante da Flotilha do Pacífico, almirante Scott Swift, embarcou pessoalmente em um voo de 7h de monitoramento sobre o Mar da China Meridional.De acordo o capitão da Marinha americana Charlie Brown, relações-públicas da Flotilha do Pacífico, Swift ficou “satisfeito com as qualidades do Poseidon.”

Pequim alega ter direito à maior parte do Mar da China Meridional, mas há alegações semelhantes de Indonésia, Filipinas, Brunei, Malásia, Cingapura, Taiwan e Vietnã. Cerca de US$ 5 trilhões em bens comerciais são transportados pelo mar anualmente.

P-8A Poseidon.

Apesar de os Estados Unidos não terem direitos territoriais na região, Washington já manifestou seguidas vezes sua preocupação com a construção de ilhas artificiais por parte da China no arquipélago Spratly. Enquanto o governo chinês declarou várias vezes a Washington que as ilhas foram construídas para fins principalmente humanitários, os EUA encorajaram seus aliados do Pacífico a exercerem pressão militar sobre a China e aumentarem exercícios militares conjuntos com parceiros regionais.

Em maio, um avião Poseidon entrou na zona de alerta militar da China ao sobrevoar ilhas de Pequim e recebeu oito avisos antes de mudar de rota e deixar a região. O voo foi considerado “comportamento provocativo” pelo Ministério de Relações Exteriores, já que a China acreditava que o avião estava recolhendo inteligência sobre a construção das ilhas. “Liberdade de navegação e voo não significa que navios e aviões estrangeiros podem ignorar os direitos legítimos de outros países e colocar em perigo viagens por mar e ar”, disse a porta-voz do ministério, Hua Chunying, aos jornalistas na ocasião.

FONTE : Sputniknews

Publicado em 07/21/2015, em Notícias e marcado como , , , . Adicione o link aos favoritos. 1 comentário.

  1. Passar sobre mar territorial não e coisa assim tão periclitante. Eu quero ver é passar sobre o território do inimigo como fez a anos o avião U2. e DIGA-SE COM CERTEZA QUE A russia NÃO TINHA FOGUETE PARA DERRUBAR AQUELE AVIÃO. Foi graças a coragem de um Piloto Russo, que se arriscou a subir com um avião desprovido de Armas e Munições Pesadas; e numa arremetida vertical conseguiu interceptar o U2 e albarroalo causando sua queda.

    Curtir

Esse espaço é para debate de assuntos relacionados ao Blog, fique á vontade para comentar!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: