Estado Islâmico matou ao menos 400 inocentes em Palmira

Colunas preservadas de Palmira, em foto de 2010 (Foto: Mohamed Azakir/Reuters)

Combatentes do Estado Islâmico (EI) assassinaram pelo menos 400 pessoas na cidade de Palmira, na Síria, a maioria mulheres e crianças, afirmou neste domingo (24) a rede de televisão estatal síria.

A informação veio de moradores da cidade antiga, que é conhecida por Tadmur em árabe e possui cerca de 50 mil habitantes.

Ativistas afirmara em redes sociais que centenas de corpos estavam nas ruas, depois que o grupo extremista assumiu o controle da cidade na quarta-feira (20).

“Os terroristas mataram mais de 400 pessoas… mutilaram os corpos com a justificativa de que eles cooperavam com o governo e não seguiam as ordens”, afirmou a rede estatal de notícias da Síria.

Alguns dos mortos eram funcionários do governo, incluindo a chefe da enfermaria do hospital e membros de sua família.

Membros do grupo extremista radical postaram vídeos na internet mostrando combatetens entrando de porta em porta de prédios do governo, procurando por soldados e destruindo fotos do presidente Bashar Al-Assad.

O Observatório Sírio para os Direitos Humanos confirmou que algumas pessoas foram decapitadas na cidade, mas não estimou o número de mortos. Pelo menos 300 soldados morreram em combates, segundo o órgão.

Patrimônio
A cidade de Palmira é famosa por suas colunas romanas, templos e torres funerárias, vestígios de um brilhante passado. Situada 210 km ao nordeste de Damasco, a “pérola do deserto”, considerada patrimônio mundial da humanidade pela Unesco, é um oásis que viu seu nome aparecer pela primeira há 4.000 anos e foi um local de trânsito das caravanas entre o Golfo e o Mediterrâneo, assim como uma etapa na Rota da Seda entre o Império Romano e a China por centenas de anos.

No sábado, a bandeira do Estado Islâmico foi erguida sobre uma antiga cidadela na cidade histórica, de acordo com fotos postadas na Internet durante a noite por simpatizantes do grupo. “A cidadela de Tadmur está sob o controle do Califado”, dizia a legenda de uma das fotos.

Idlib
No noroeste da Síria, bombardeios aéreos do exército sírio matou cerca de 300 e feriu outras centenas de insurgentes, com objetivo de libertar tropas encurraladas em um hospital, segundo a TV estatal. Dezenas de soldados, que estavam presos no local desde abril, foram libertados na sexta-feira.

Fonte: G1

Anúncios

Publicado em 05/24/2015, em Notícias e marcado como , , , , . Adicione o link aos favoritos. 2 Comentários.

  1. Combatentes do Estado Islâmico (EI) assassinaram pelo menos 400 pessoas na cidade de Palmira, na Síria, a maioria mulheres e crianças, afirmou neste domingo (24) a rede de televisão estatal síria.(citação da matéria)

    Desde os tempos dos verdadeiros guerreiros; Alexandre o Grande, David de Israel Antigo, Gengis kan, Napoleão Bonaparte, quando as Guerras mudaram a partir da primeira guerra 1914 a 1918, QUEM SE FERRA SÃO OS INOCENTES. Basta ver todos presidentes que continuaram VIVOS. (Exceto Hitler e Mussoline. os outros Presidentes continuaram vivos.

    Curtir

  2. eadem@ig.com.br

    Na guerra, morrer gente é a coisa mais banal.

    Aliás, a finalidade principal das guerras – quaisquer guerras – é e será sempre… matar gente!

    Vai daí, quem mata quase não é relevante, mas o MOTIVO POR QUE MATAM.

    Alguém tem a resposta?

    Será que os norte-americanos e judeus, pretensos “senhores do mundo”, sabem qual é essa resposta?

    Afinal essa “guerra” É DELES…!

    Curtir

Esse espaço é para debate de assuntos relacionados ao Blog, fique á vontade para comentar!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: