Tentativa de golpe no Burundi é condenada pela ONU

Manifestante grita ao ser detido em frente a uma barricada em Bujumbura, no Burundi, na quarta (13) (Foto: Reuters/Goran Tomasevic )

Violentos confrontos entre tropas rivais explodiram nesta quinta-feira (14) na capital do Burundi, Bujumbura, deixando três mortos, os primeiros desde a tentativa de golpe de Estado contra o presidente do país, lançada na véspera, que foi condenada pelo Conselho de Segurança da ONU nesta quinta-feira.

No início desta tarde, tropas do general golpista Godefroid Niyombare, ex-chefe dos serviços de Inteligência, lançaram um novo ataque para tomar o edifício da rádio televisão nacional (RTNB), protegido por soldados leais ao presidente, que conseguiram manter o controle deste edifício emblemático.

Ao menos três militares morreram nestes confrontos, constatou um jornalista da AFP que viu os cadáveres a aproximadamente um quilômetro da sede da rádio, embora não tenha conseguido confirmar a qual dos dois grupos eles pertenciam.

É a primeira vez que são registradas mortes desde o início da tentativa de golpe de Estado, na quarta-feira.

Nkurunziza estava na vizinha Tanzânia quando a tentativa de golpe foi lançada e permanece ali em uma localização secreta de Dar es Salaam, indicaram oficiais tanzanianos.

O diretor da rádio, Freddy Nzeyimana, disse à tarde que a emissora havia voltado a funcionar, depois de ter parado de transmitir horas antes.

A sede da RTNB também havia sido atacada no início da manhã, depois que o chefe das forças armadas do Burundi utilizou a rádio para anunciar que o golpe lançado por Nyombare havia fracassado.

Posteriormente, Nzeyimana anunciou pela rádio o fracasso destas ofensivas, afirmando que a situação estava controlada e “os soldados leais são os que controlam a RTNB”.

A rádio divulgou uma mensagem telefônica de Nkurunziza a partir da Tanzânia, quase inaudível, mas na qual era possível reconhecer a voz do chefe de Estado.

Partidários do presidente atacaram, por sua vez, outros meios de comunicação independentes, como a Rádio Pública África, que transmitiam mensagens dos golpistas.

A tentativa de golpe ocorreu após semanas de protestos contra a intenção do presidente de conquistar um terceiro mandato, uma medida inconstitucional, segundo a oposição, já que Nkurunziza foi presidente durante duas legislaturas, desde 2005.

Condenações à tentativa de golpe
Enquanto isso, Nkurunziza segue na Tanzânia, onde estava quando a tentativa de golpe de Estado foi anunciada. Tentou retornar ao Burundi, mas ficou bloqueado no país vizinho, depois que seus opositores tomaram o controle do aeroporto e ordenaram o fechamento das fronteiras.

Um correspondente da AFP confirmou que o aeroporto da capital burundinesa estava nas mãos das forças golpistas.

“Está em Dar es Salaam, não podemos dizer onde”, confirmou à AFP um oficial de segurança do presidente da Tanzânia.

Em meio a soldados, manifestantes chegaram a comemorar nas ruas o suposto golpe de Estado no Burundi, na quarta-feira (13) (Foto: AP Photo/Berthier Mugiraneza)Em meio a soldados, manifestantes chegaram a comemorar nas ruas o suposto golpe de Estado no Burundi, na quarta-feira (13) (Foto: AP Photo/Berthier Mugiraneza)

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, fez um apelo urgente à calma, enquanto o Conselho de Segurança condenou a tentativa de golpe e ordenou o retorno ao Estado de direito no país.

Os 15 integrantes do Conselho de Segurança, que se reuniram nesta quinta-feira para abordar a crise no país, condenaram, em um comunicado, o golpe de Estado contra o presidente Pierre Nkurunziza e ordenaram um rápido retorno ao Estado de direito.

Em um comunicado unânime, os membros do Conselho declararam que “condenam tanto os que promovem a violência de qualquer tipo contra civis quanto os que buscam tomar o poder por meios ilegais”.

Em Washington, o porta-voz do Departamento de Estado americano, Jeffrey Rathke, informou, em coletiva de imprensa, que os Estados Unidos reconhecem Nkurunziza como o presidente “legítimo” do Burundi.

O porta-voz admitiu haver uma “concorrência por exercer a autoridade” no Burundi, mas que Nkurunziza continuava sendo o presidente “eleito”.

O presidente do Burundi, Pierre Nkurunziza, em foto de 4 de junho de 2014 (Foto: AFP Photo/François Guillot)O presidente do Burundi, Pierre Nkurunziza, em foto de 4 de junho de 2014 (Foto: AFP Photo/François Guillot)

O Departamento de Estado também admitiu que a situação política era “muito mutável” em Bujumbura, capital sacudida por “múltiplos confrontos armados” e ressaltou o apelo à calma feito pelos Estados Unidos às partes envolvidas no conflito, expressando sua “profunda preocupação” diante do “envolvimento do Exército” nesta crise.

Enquanto os Estados Unidos convidaram os burundineses a abaixar as armas, colocar fim à violência e dar mostras de moderação, a União Europeia advertiu que é “essencial que a situação não fique fora de controle”.

Nesta quinta-feira, o Conselho de Paz e Segurança da União Africana (UA) condenou a utilização da força para tomar o poder e anunciou o envio ao país “de observadores de direitos humanos”.

Ao anunciar o golpe de Estado, Nyombare disse que ele não pretendia tomar o poder, mas formar um “comitê para a restauração da harmonia nacional” e trabalhar para a “retomada do processo eleitoral em um ambiente pacífico e justo”.

Nyombare, uma figura muito respeitada, foi destituído em fevereiro depois de ter desaconselhado Nkurunziza a se apresentar novamente nas eleições presidenciais.

Desde o fim de abril, quando os protestos começaram, mais de 22 pessoas morreram.

Mais de 50 mil burundineses fugiram a países vizinhos nas últimas semanas e as Nações Unidas se preparam para a chegada de milhares de outros refugiados.

Fonte>  G1

Publicado em 05/14/2015, em Notícias e marcado como , , , , . Adicione o link aos favoritos. 2 Comentários.

  1. Mas as Fbricas de Armas vai bem; OBRIGADO e ABRIGADO DE TODO MAL POR ELE PERPETRADO CONTRA IRMÃO DA MESMA RAÇA.

    CADA País tem os PETRALHARISMO QUE MERECE.

    Curtir

  2. eadem@ig.com.br

    O Burundi é uma potência africana mais armada que o Vanuatu e bem mais rica que o Haiti.

    Logo, se a coisa complicar por lá pode acontecer a terceira guerra mundial.

    Até porque o país é colônia da França, Inglaterra, EUA, Israel, Turquia, Bessarábia, Ilhas Fidji, Nabundínia e da Labelândia, que têm interesses comuns lá.

    Até a Máfia Siciliana e a quadrilha PT parece que têm interesses econômicos a defender por lá.

    Certamente, por estes dias, o Burundi deve ser invadido mais uma vez por pára-quedistas franceses os quais deverão ocupar aquilo lá por uns três meses, emprenhar as damas da sociedade local e depois voltam pra Europa, onde aguardarão sua vez de servirem como escravos “buchas pra canhão” tocados pelos judeus-americanos na próxima guerra contra a Rússia.

    Muito preocupante para nós brasileiros essa crise no Burundi, pois podem invadir a Amazônia!

    Ou a “zona” do Mangue, no RJ… já pensaram?

    Curtir

Esse espaço é para debate de assuntos relacionados ao Blog, fique á vontade para comentar!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: