Prefeito de Caracas é preso por tentar golpe de estado

O prefeito de Caracas, Antonio Ledezma (Foto: Roberto Jayme/Reuters) (O prefeito)

O prefeito de Caracas, o opositor Antonio Ledezma, foi detido por ordem da Procuradoria por tentar promover um golpe de Estado na Venezuela, declarou o presidente Nicolás Maduro, nesta quinta-feira (19).

“O senhor Ledezma, que no dia de hoje foi detido por ordem da Procuradoria, deve ser processado pela Justiça venezuelana para que responda por todos os crimes cometidos contra a paz do país, a segurança e a Constituição”, afirmou Maduro, em pronunciamento em rádio e televisão iniciado pouco depois da notícia da prisão de Ledezma.

O presidente reiterou sua denúncia lançada há alguns dias de que a oposição estaria armando, com apoio dos Estados Unidos, uma tentativa de golpe contra seu governo.

Como prova, Maduro citou um documento assinado por Ledezma, pelo também líder opositor Leopoldo López e por María Corina Machado, destituída do cargo de deputada em 2014. Denominado “Acordo Nacional para a Transição”, o texto teria sido divulgado pela imprensa local em 11 de fevereiro passado, apresentando uma série de propostas políticas e econômicas.

“Apenas por meio da Justiça, poderemos derrotar essas tentativas de golpe de Estado e dar ao país paz permanente (…) Quem estiver por trás desses atentados golpistas tem de ir pagar (…) na cadeia, tem de ir preso”, alegou Maduro.

Antonio Ledezma foi detido por agentes do Serviço Bolivariano de Inteligência (Sebin), informaram a mulher do político e fontes da oposição venezuelana.

EUA condenam
Pouco depois da denúncia de Maduro, Washington reagiu, rejeitando as acusações de que o governo Barack Obama estaria por trás de uma conspiração para derrubar o presidente.

“As declarações dadas pelo governo venezuelano de que os Estados Unidos estão envolvidos na conspiração para um golpe e para a desestabilização (desse país) não tem embasamento e são falsas”, afirmou a porta-voz do Departamento de Estado, Jen Psaki.

“Os Estados Unidos não promovem a desestabilização na Venezuela, tampouco estamos tentando minar sua economia, ou seu governo”, completou Psaki, destacando que Washington continua sendo o principal sócio comercial de Caracas.

Jen Psaki pediu às autoridades venezuelanas que ‘parem de tentar distrair a atenção dos problemas econômicos e políticos do país com essas acusações e se concentrem em encontrar soluções reais’, por meio do diálogo democrático.

Na Venezuela, a oposição também reagiu rapidamente.

“Levaram Antonio Ledezma com violência (…) Chegaram destruindo tudo que encontravam pelo caminho. Não deram nem tempo de falar”, denunciou a mulher do prefeito, Mitzy Capriles de Ledezma, à “Unión Radio”.

Segundo Mitzy, vários homens do Sebin, com o rosto coberto, apareceram no gabinete do prefeito para prendê-lo. Ao deixarem o prédio, os agentes “atiraram várias vezes para o alto” para dispersar a multidão que se aglomerou, continuou Mitzy.

O advogado de Ledezma, Omar Estacio, disse à mesma emissora que “não foi apresentado um mandado de prisão”, em uma operação que contou, segundo ele, com mais de 80 agentes do Sebin.

“Toda minha solidariedade para o prefeito Ledezma diante dessa inesperada detenção!”, escreveu em sua conta oficial no Twitter o prefeito do município metropolitano de Caracas (leste), Ramón Muchacho, também da oposição.

Também pelo microblog, a ex-deputada María Corina Machado tuitou que a detenção de Ledezma é “um ato desesperado da ditadura contra um democrata convicto”.

Cerca de meia hora antes do anúncio de sua prisão, o próprio Ledezma alertou no Twitter sobre a chegada dos agentes. “Meu gabinete vai ser revistado neste momento por vários policiais do regime”, tuitou.

Ledezma, de 59 anos, é um dos veteranos da oposição venezuelana, já tendo atuado como senador, deputado e governador do antigo Distrito Capital (Caracas).

Ele foi eleito em 2009 e reeleito em 2013 como prefeito de Caracas, região que reúne cinco municípios metropolitanos. Suas funções foram severamente restringidas pelo governo central da Venezuela.

O presidente Maduro acusou Ledezma – ao qual se refere como El Vampiro – de ser um dos promotores das manifestações contra o governo que varreram o país entre fevereiro e maio de 2014. As passeatas terminaram com 43 mortos.

Maduro também denunciou o prefeito pelo envolvimento na estratégia conhecida como “la salida”, que teria como objetivo derrubar o presidente. O centro da estratégia seria a promoção de multitudinários protestos na ruas.

Seu principal promotor, Leopoldo López, outro líder da oposição, está detido há um ano, sob a acusação de incitar a violência.

FONTE: G1

Anúncios

Publicado em 02/20/2015, em Notícias e marcado como , , , , . Adicione o link aos favoritos. 2 Comentários.

  1. Esta na moda, todo Ditador mal sucedido e incapaz culpar os USA para desviar a atenção dos verdadeiros desmandos de sua incapacidade. o pior é que isso faz escola no sub continente Bolivariano. Logo todas essas “nações” estarão, seja não estão copiando esse Maduro Podre de merd@. Com tanto Petróleo ainda consegue matar seu povo de fome.

    Curtir

  2. De acordo com a esquerda psicopata, a Venezuela é exemplo de ”democracia Vibrante”.

    Pelo menos o agora Ex-prefeito vai encontrar papel higiênico na cadeia, já que na casa dele é bem provável que não tenham, afinal pessoas de esquerda adora idolatrar bandidos e condenar os trabalhadores honesto!

    Curtir

Esse espaço é para debate de assuntos relacionados ao Blog, fique á vontade para comentar!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: