Promotor que denunciou Kirchner é encontrado morto em Buenos Aires

O procurador argentino Alberto Nisman, que denunciou a presidente Cristina Kirchner de acobertar o envolvimento de terroristas iranianos em atentado a centro judaico em 1994. (Foto: Reuters/Marcos Brindicci/File)

O promotor federal argentino Alberto Nisman, de 51 anos,  foi encontrado morto em seu apartamento em Puerto Madero, bairro de alto padrão na capital argentina, na madrugada desta segunda-feira (19).

Ele era o responsável pela investigação do atentado contra a sede da Associação Mutual Israelita Argentina (Amia), em 1994, quando uma explosão deixou 85 mortos e provocou danos estruturais em outros 9 edifícios no bairro Once.

Ele disse na semana passada que Cristina havia aberto um canal de comunicação secreto com o grupo de iranianos suspeito de ter plantado a bomba. Segundo o promotor, o esquema tinha como objetivo inocentar os suspeitos para que a Argentina pudesse começar a negociar grãos em troca de petróleo do Irã. Ele apresentaria detalhes da denúncia ao Congresso nesta segunda.

Segundo o jornal argentino “Clarín”, as primeiras informações davam conta de que o corpo de Nisman foi encontrado com perfuração na cabeça, compatível com uma arma de pequeno calibre.

“Alberto Nisman foi encontrado morto no domingo à noite em seu apartamento no 13º andar da torre Le Par, no bairro de Puerto Madero em Buenos Aires”, informou o Ministério da Segurança Pública da Argentina em comunicado.

A suspeita é que ele tenha se suicidado, ainda que as circunstâncias de sua morte não tenham sido esclarecidas e que autoridades policiais estejam evitando dar informações sobre o caso.

A promotora que investiga a morte de Nisman confirmou que foi encontrada uma arma em sua residência de Buenos Aires, mas pediu prudência e cautela à espera das conclusões das investigações.

“Peço prudência”, disse a promotora Viviana Fein, que confirmou que o corpo foi achado pela mãe de Nisman no banheiro de seu apartamento, em um edifício que conta com segurança privada no exclusivo bairro portenho de Puerto Madero.

Viviana confirmou aos meios de comunicação que também foi encontrada uma arma do calibre 22 no imóvel, mas evitou fazer comentários sobre as circunstâncias da morte de Nisman

Ela confirmou que o procurador foi encontrado por sua mãe, contactada pelos seguranças pessoais do procurador – 10 agentes da polícia, no total – que alertaram a família diante da falta de resposta aos insistentes telefonemas no domingo.

Investigação
Em um relatório de 300 páginas, Nisman pediu uma investigação contra Kirchner, que supostamente teria favorecido a assinatura em 2013 de um Memorando de Entendimento entre Argentina e Irã para poder interrogar os acusados em um terceiro país e avançar em um caso estancado há 20 anos.

A acusação de Nisman foi o último de uma série de confrontos entre funcionários de alto escalão e a justiça argentina sobre o esclarecimento deste atentado.

Além da investigação, Nisman havia pedido um embargo preventivo de bens no valor de 200 milhões de pesos (US$ 23 milhões) de Kirchner, de Timerman e de outros funcionários.

A denúncia foi recebida com cautela por grupos da comunidade judaica, embora ao longo da semana tenham pedido que as provas que Nisman tinha fossem divulgadas.

Segundo o procurador, a posição do governo de Kirchner obedecia a seu interesse pelo petróleo iraniano porque “buscava restabelecer relações comerciais de Estado a Estado, sem prejuízo dos intercâmbios que já existiam em nível privado”.

Para a audiência desta segunda-feira o procurador solicitava que seu comparecimento ocorresse em particular, mas parlamentares governistas exigiam que a audiência fosse pública e transmitida pela televisão.

Acusação vil, segundo o governo
O governo argentino rejeitou a denúncia “vil” do procurador.

“Depois de anos contando com o apoio político do (falecido ex-presidente) Néstor Kirchner e da atual presidente, o procurador acusa vilmente a política mais ativa (…) em relação ao julgamento e castigo dos responsáveis pelo brutal atentado terrorista”, afirmou Timerman em uma declaração na quinta-feira.

A assinatura de um memorando de entendimento com o Irã – denunciado como inconstitucional pela AMIA e por outras organizações judaicas – aumentou a tensão nas relações entre o governo de Kirchner e esta comunidade, integrada por 300.000 membros, a maior da América Latina.

O governo defendeu o acordo bilateral com o Irã para investigar os acusados de planejar o ataque. Cinco ex-funcionários iranianos, entre eles um ex-presidente, atuais ministros e líderes religiosos locais, têm uma ordem de captura internacional da Interpol a pedido da justiça argentina.

G1

Nota do Editor: O Promotor morrer pouco antes de praticamente lançar uma denúncia que poria fim a carreira política da presidente argentina? Estranho isso.

Sobre Francisco Santos

Francisco Santos é jornalista a mais de 5 anos, hoj é correspondente do Jornal Diário do Estado (Paraná), em seus momentos livres escreve para o Blog Alvo na TV, com colunas críticas, imparcial, profissional ao extremo e dedicad ao mundo da TV. É fundador e dono do Blog de defesa Guerra & Armas, que já conta com um crescimento considerável e esta prestes a se tornar um dos maiores Blogs de defesa do país, com compromisso e credibilidade o jornalista Francisco Santos mostra toda sua qualidade e amor ao que faz.

Publicado em 01/19/2015, em América do Sul, Argentina, Internacional e marcado como , , , . Adicione o link aos favoritos. 3 Comentários.

  1. Ate tu ARGENTINA! Onde aprendeste essa saída? Vocês vão se acostumar com isso. Depois de dois prefeitos e umas duzias de casos assemelhados, nos por qui nos acostumamos. Digamos que o promotor foi “suicidado” para segurança do Petróleo Iraniano.

    Curtir

  2. Altomar Lima Junior

    É mais um caso que vai ficar sem solução.

    Curtir

  3. alguns fatos:

    O promotor morreu horas antes de depor no congresso argentino contra o governo a respeito de um acordo com o Irã sobre o ataque terrorista que ocorreu em 1994.

    O promotor já havia denunciado ameaças de morte que haveria recebido, então porque ele se matou já que temia a morte em si? Não queria dar gosto para seus ameaçadores e simplesmente se matou?

    Curtir

Esse espaço é para debate de assuntos relacionados ao Blog, fique á vontade para comentar!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: