curtirGuerra & ArmasOPÇÃO2

Dos três caças do EI, só sobrou um, segundo a Síria

MiG-23 Cold War Air Museum

Segundo o ministro da Informação da Síria, Omran al-Zohbi , dois dos três jatos de combate que o Estado Islâmico (EI) teria se apoderado em bases aéreas do norte da Síria, sob seu controle,  foram derrubados. A notícia foi veiculada pelo site Defense News.

Os três caças, provavelmente de modelos MiG-21 e MiG-23, estavam voando a partir de Jarrah, a leste de Aleppo, por integrantes do EI treinados por ex-pilotos do regime de Saddan Hussein. Segundo o ministro, caças sírios decolaram e derrubaram dois deles quando pousavam, e o terceiro avião foi escondido. O ministro Zohbi também afirmou que o jato restante não representa ameaça por estar “inutilizável” e, assim que for localizado, também poderá ser destruído.

FONTE: Defense News

Em cidade iraquiana, horror e pânico após 4 meses sob julgo do Estado Islâmico

 Moradores de Mossul estão há quatro meses sob o governo do Estado Islâmico (Foto: AP)

Com a tomada da cidade de Mossul, em junho, grande parte da população iraquiana caiu sob o poder do autodenominado Estado Islâmico. Os militantes rapidamente introduziram um regime de acordo com a sua versão radical do Islã, que inclui duros castigos, regras rígidas para as mulheres e repressão a qualquer dissidência.

No primeiro de uma série de diários, os moradores de Mossul descrevem para a BBC como é a vida sob o Estado Islâmico. Os nomes dos autores foram alterados para proteger suas identidades.

24 de outubro de 2014

Por Faisal

Quatro meses se passaram desde que o Estado Islâmico assumiu (o controle de Mossul), e um amigo meu ainda está se escondendo aqui.

Ele trabalhava de guarda-costas para juízes em Mossul, mas depois da tomada da cidade todos os juízes foram embora e meu amigo entrou na clandestinidade. Ele se mudou para quem saiba onde encontrá-lo.

Meu amigo não sai muito pelas ruas, porque os militantes do ‘Estado Islâmico’ estão em quase todos os lugares da cidade atirando em todo mundo que não se pareça um muçulmano “dedicado” como eles.

Às vezes eles montam postos de controle de surpresa e pedem as identidades dos moradores, buscado por pessoas procuradas: ex-agentes de segurança ou ex-funcionários do Judiciário, ou qualquer pessoa suspeita de ter prendido membros do ‘Estado Islâmico’ antes da tomada da cidade, ou qualquer um que tenha trabalhado para o governo ou na política.

A maioria dessas pessoas já foi embora, temendo a execução pelo grupo. Estas ações afastaram as pessoas do ‘Estado Islâmico’. Seus atos criminosos têm aterrorizado cidadãos pacíficos. Membros do grupo executam ativistas na frente de todo mundo na rua. Eles usam roupas militares pretas, deixam crescer o cabelo e a barba crescer – alguns parecem que não veem um chuveiro há muito tempo!

A cada dia eles aumentam em número, tomam novas posições e consolidam a sua presença, apesar dos ataques aéreos das forças de coalizão que não mudam a situação no terreno. O que mudou foi a nossa realidade, que tem ficado cada vez mais horrível.

Por Mays

Dou aulas em uma escola na minha amada cidade, Mossul. Assim como outras mães iraquianas, trabalho para ajudar financeiramente meu marido, ainda que pouco, para afastar as dificuldades da vida em tempos tão difíceis e em um país tão caro.

Este ano, quando começaram as férias de verão, decidi ir a Bagdá visitar parentes e participar de um encontro familiar.

Depois da festa, quando ainda estávamos animados e cercados de entes queridos, recebi a notícia de um toque de recolher em Mossul, e do início dos combates entre forças do governo e os rebeldes do ‘Estado islâmico’.

A partir desse momento, passei a falar com meu marido em Mossul todos os dias para saber das últimas notícias.

‘Terror e pânico’
Tenho passado os piores dias da minha vida em Bagdá, cidade da minha infância inocente, e onde vivi meus sonhos como uma mulher nos seus 20 anos. Sempre adorei viver em Bagdá até me casar e me mudar para Mossul.

No entanto, durante cinco dias de combates que se seguiram em Mossul, vivi sob horror, medo e pânico, preocupando-me com meu marido. Constantemente me perguntava o que estava acontecendo e se um dia o reencontraria.

Após a chegada dos rebeldes sunitas do ‘Estado Islâmico’, meu marido e eu começamos a planejar o meu retorno à cidade, mas todas as estradas entre Bagdá e Mossul estavam bloqueadas por causa dos combates.

Cidades foram caindo em horas – nem sequer dias – depois que as forças governamentais fugiram ou recuaram, deixando todos perplexos.

Depois de várias tentativas por parte de meu marido e graças a algumas conexões suas, conseguimos um vôo de Bagdá para o norte do Iraque.

Mas surgiu, então, um outro obstáculo: eu não trouxera comigo a documentação dos meus filhos, já que estava viajando por terra. Sem os documentos, não poderíamos voar.

Grupos armados
Graças aos bons pensamentos e a vontade de Deus, recebemos os documentos através de um amigo que estava saindo de Mossul de carro e que mais tarde voou para Bagdá.

Finalmente retornei à casa da minha família em Mossul pouco depois da meia-noite no dia 20 de junho. Fiquei chocada e assustada com o que vi nas ruas, tanques e carros destruídos. Orei e jejuei durante três dias.

Fiquei em casa por um tempo, até me acostumar à situação sob a qual estamos vivendo agora, mas aqueles foram momentos dos quais nunca vou esquecer.

FONTE: G1

 

Campanha do ‘não’ ao Gripen transformará a Suíça em um país fraco e frágil

charge campanha não ao Gripen na Suíça

Ironia do destino: após uma bem-sucedida campanha pelo “não” à compra de caças Gripen pela Suíça, na qual um dos motes era a ideia de um cofre vazio, quem esvaziou os cofres e está à beira da falência é o grupo pacifista que mais contribuiu para a campanha, o GSoA – Grupo por uma Suíça sem Exército (leia-se Forças Armadas), sigla para o original em alemão “Gruppe für eine Schweiz ohne Armee”.

A informação foi dada pelo jornal suíço Basler Zeitung no início do mês. O GSoA, cuja receita provém de doações, protagonizou a campanha do “não” juntamente com a Esquerda e os Verdes, e bancou praticamente dois terços dos 300.000 francos suíços gastos na mesma. A Esquerda e os Verdes da Suíça têm diversas outras prioridades políticas pela frente, não exatamente ligadas à agenda pacifista do GSoA, e alegam que por isso não puderam contribuir com mais do que 1/3 dos custos.

gripen_bild_website_rechtespalte_d

Ainda assim, o GSoA acha que valeu a pena correr o risco de esvaziar seus recursos, já que no referendo de maio deste ano (onde o povo decidiu contra o sistema de financiamento da compra dos caças, inviabilizando a aquisição) o grupo conquistou uma vitória após diversas derrotas em referendos populares desde que foi criado, em 1982.

Apesar de ter se vangloriado de uma “vitória histórica” numa causa onde jogou todas as cartas,  agora o grupo se vê às voltas com a falência iminente:  após ter arruinado suas finanças em prol da campanha do não, o dinheiro acabará no início do ano que vem, caso o GSoA não consiga doações suficientes para continuar custeando suas atividades.

Ao ver de especialistas, o grupo não passa de “marginais” que somente querem a destruição da Suiça. De acordo com eles, nenhum país no mundo é seguro e estável sem forças armadas.

Várias pessoas afirmam terem visto os lideres do grupo fumando maconha na Holanda,após uma suposta “reunião de negócios”.

FONTE: Basler Zeitung

China pretende estreitar laços militares com Irã, diz mídia chinesa

PLA Navy

A China quer ter laços militares mais estreitos com o Irã, disse o ministro da Defesa chinês ao comandante da Marinha iraniana, que estava de visita a Pequim, segundo informou a mídia estatal nesta quinta-feira, reafirmando assim as relações bilaterais apesar da controvérsia sobre os planos nucleares do Irã.

O ministro da Defesa chinês, Chang Wanquan, disse ao chefe da Marinha iraniana, contra-almirante Habibollah Sayyari, que as duas forças armadas têm mantido “uma boa cooperação em visitas mútuas, treinamento de pessoal e outros campos nos últimos anos”, de acordo com a agência de notícias oficial da China, a Xinhua.

“O intercâmbio entre as duas Marinhas tem sido frutífero e seus navios de guerra fizeram visitas bem-sucedidas um ao outro”, declarou Chang, segundo a agência.
“Chang enfatizou que a China está disposta a trabalhar com o Irã para aprofundar a cooperação pragmática e reforçar os laços entre os militares.”

De acordo com a Xinhua, Sayyari disse que o Irã atribui grande importância às suas relações com a China e está “pronto para reforçar os intercâmbios bilaterais para fazer avançar a cooperação entre as duas forças armadas, especialmente a cooperação naval”.

Pela primeira vez na história, dois navios de guerra chineses atracaram no porto de Bandar Abbas, do Irã, para participar de exercícios navais conjuntos no Golfo Pérsico, informou a mídia estatal iraniana em 20 de setembro.

A cooperação naval entre o Irã e a China é destinado a reforçar a capacidade militar do Irã no Golfo Pérsico, dizem os analistas, bem como exibir o plano da China de exercer maior influência e presença para além da Ásia. (Reportagem adicional de Parisa Hafezi em Ancara, Reportagem de Ben Blanchard)

FONTE: Yahoo Brasil

Otan denuncia avião militar russo no espaço aéreo aliado do Báltico

A Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) denunciou nesta quarta-feira (22) que um avião militar russo, que na véspera “voava nas imediações do espaço aéreo aliado” no mar Báltico, “entrou no espaço aéreo estoniano”.

Para manter a segurança, uma patrulha de caças F-16 foi enviada ao local.

“Os radares da Otan detectaram e rastrearam um avião não identificado, voando nas imediações do espaço aéreo aliado do mar Báltico”, declarou a organização, em um comunicado, acrescentando que o incidente aconteceu na terça-feira de manhã.

A Otan decidiu enviar dois aviões de combate F-16, um da Dinamarca e outro de Portugal, para identificar o aparelho.

Segundo a Aliança Atlântica, a patrulha identificou um aparelho russo Ilyushin Il-20. Esse tipo de avião costuma ser usado em missões de Inteligência e de coleta de informações.

A Otan informou que a aeronave russa teria decolado do território russo de Kaliningrado em direção à Dinamarca.

“O avião russo foi, primeiro, interceptado por um F-16 dinamarquês. E o Il-20 virou, então, para o norte, quando foi interceptado por dois aviões de combate suecos”, país que não faz parte da Otan, mas que também enviou seus caças para averiguarem – relatou a organização.

No início da tarde de ontem, completou a nota, o avião russo “ingressou no espaço aéreo estoniano, perto da ilha de Saaremaa, por um período de menos de um minuto, o que representou uma incursão de cerca de 600 metros no espaço aéreo da Otan”.

No comunicado, a Aliança informa que a interceptação é um “procedimento padrão”, quando um avião não identificado se aproxima do espaço aéreo da organização.

A Otan alega que os voos militares russos representam “um risco potencial para a Aviação civil, já que, geralmente, não fornecem um plano de voo, nem utilizam o transponder”.

FONTE: G1

URGENTE: POSSÍVEL ATAQUE TERRORISTA NO CANADÁ

Soldado canadense foi ferido após trocas de tiros próximo ao Parlamento em Ottawa, precisamente no memorial da Guerra que fica a 100 metros do Parlamento.

Um único suspeito, vestido todo de preto, correu para dentro do parlamento, onde um novo tiroteio ocorreu e o atirador morreu.

A polícia confirma que possa existir mais atiradores na região. 3 tiroteios foram relatados, além dos dois na região do parlamento, um novo tiroteio foi reportado em um shopping. Informações da Globo News e Band News.

Os números de feridos não foram confirmados, mas podem ser dezenas.

Canadá elevou horas antes a Ameaça Terrorista de Grupos como Al Qaeda e Estado Islâmico.

Todas as repartições públicas foram fechadas, inclusive universidades e delegacias. Informações de que todas as bases militares foram fechadas no país. O Governo do Canada aconselha a todos a não saírem de suas casas.

EUA fecha seu consulado em Ottawa. Alerta de ataque terrorista foi elevado também no país vizinho.

Nos EUA, o aeroporto internacional de Miami foi fechado devido a uma suspeita de bomba. O aeroporto já foi reaberto.

EUA EM JOGOS DE GUERRA NO ALASCA! CANADÁ MOBILIZA TROPAS, RÚSSIA REATIVA BASE NO ÁRTICO!

Uma força de implantação rápida do Exército vai praticar exercícios estratégicos na base de defesa antimísseis do Pentágono no Alasca, esta semana, como parte de exercícios anuais que envolvem ambas as forças convencionais e nucleares.

 

Funcionários da Defesa disseram que uma Força de Reação Rápida do Exército (QRF) de 55 tropas aerotransportadas, junto com armas e veículos, com pára-quedas em Fort Greely, no Alasca, na quinta-feira, como parte de exercícios chamados Vigilant Shield.
O QRF, composta de altamente treinados, forças móveis, rapidamente descompactam veículos e armas e movem-se para criar um perímetro de segurança em torno do campo de interceptação terrestre (GBI) na base, tudo em poucos minutos de atingir o solo, disseram autoridades familiarizadas com alguns detalhes do exercício. Os exercícios continuarão até 28 de outubro.
O Pentágono implantou 26 interceptores de longo alcance em Fort Greely e quatro na Base Aérea de Vandenberg, na Califórnia. Os interceptores são um elemento-chave limitadas de defesas estratégicas americanas dos militares contra ataques de mísseis de longo alcance, previstos principalmente da Coréia do Norte.
O porta-voz militar se recusou a revelar os cenários para os exercícios citando temores de “segurança operacional”.
Os exercícios militares norte-americanos, no entanto, seguem um aumento em grande escala de vôos de bombardeiros estratégicos nucleares russos tanto no Alasca e na Califórnia.
E os jogos de guerra, envolvendo a implantação de centenas de tropas canadenses, também estão sendo realizadas, como a Rússia anunciou no mês passado que está reabrindo uma base naval da era soviética no ártico norte em Ilhas da Sibéria. Seis navios de guerra russos, incluindo dois navios de desembarque, que partiram para a ilha com tropas e suprimentos em 6 de setembro.
A base da ilha siberiano é cerca de 1.000 km da costa do Alasca e faz parte de um grande esforço por Moscou para construir suas forças militares em toda a região, rica em recursos do Ártico.
Tenente-general aposentado da Força Aérea, Thomas McInerney, um ex-comandante do Comando Aéreo do Alasca, disse que os exercícios norte-americanos não estão limitados a defesas antimísseis e parecem ser uma resposta a exercícios nucleares recentes de grande escala russos e atividade de bombardeiros.
“Isso claramente é uma resposta aos extensos exercícios nucleares russos que foram realizados recentemente e é um sinal de boas-vindas de que esta administração não desarmou completamente nossa prontidão de dissuasão nuclear”, acrescentou.
O secretário de Defesa Chuck Hagel, em novembro, delineou uma nova estratégia do Pentágono para proteger o Ártico. A estratégia é seguida de aumento das incursões russas e chinesas na região. Hagel disse em um discurso em 22 de novembro no ano passado, que o derretimento do gelo polar aumentou rotas marítimas e como resultado há um aumento do risco de um futuro conflito na região.
Rússia tiveram como alvo as defesas de mísseis dos EUA no passado.
Documentos do Departamento de Estado classificados tornados públicos pelo Wikileaks revelou há vários anos que os exercícios militares ofensivas russas no Ártico são parte de um esforço de Moscou para “emergir como o poder dominante no ártico.”
Além da base de ilhas siberianas, militares da Rússia estão abrindo bases aéreas do Ártico, no extremo norte em Naryan-Mar, em Nova Zembla, e Franz Josef Land.
A Rússia também anunciou que está criando uma brigada do Ártico de 8000 tropas para ser implantado na Península de Kola perto da Finlândia e Noruega.
Protegendo o campo interceptor de defesa de mísseis é um dos elementos do campo de jogos de guerra em larga escala que ocorrem esta semana. O lançamento aéreo faz parte do Vigilant Shield, um exercício anual de defesa da pátria gerido pela sede no Colorado US Northern Command e do Comando de Defesa Aeroespacial EUA-Canadá na América do Norte.
Os exercícios de campo em Fort Greely inicialmente eram para envolver um lançamento aéreo de 400 tropas aerotransportadas a partir do 4 º Brigada da Divisão de Infantaria 25 baseado em Fort Richardson, Alasca. O exercício foi reduzida para apenas o QRF, no entanto.
Cerca de 550 efetivos militares canadenses e 20 aeronaves também foram participar no jogo de guerra com a implantação de Goose Bay, Labrador, no nordeste do Canadá no que Northcom disse que será a primeira grande implementação para Norad em mais de uma década.
A principal missão do Norad é para evitar ataques aéreos sobre a América do Norte.
O governo do Canadá recentemente manifestou preocupações sobre incursões estratégicas de bombardeiros russos.
O Washington Free Beacon informou em 8 de setembro que os bombardeiros estratégicos russos conduziram ataques de mísseis de cruzeiro nucleares práticos de áreas próximas a nordeste do Canadá.
Concomitantemente com Vigilant Shield, o Comando Estratégico dos EUA na segunda-feira lançou em grande escala de jogos de guerra nuclear chamada Global Thunder, projetados principalmente para testar o comando e o controle nuclear, juntamente com as operações militares de comando envolvendo espaço, ciberespaço, defesa antimísseis, combate às armas de destruição em massa, e inteligência, vigilância e reconhecimento, disse o comando, em um comunicado.
Os jogos de guerra Stratcom será simulações e exercícios de campo em vários locais. O exercício é baseado em um cenário fictício e não está relacionada a eventos do mundo real, disse o comando, em um comunicado.
%d blogueiros gostam disto: