curtirGuerra & ArmasOPÇÃO2

Confronto no leste da Ucrânia mata 13 pessoas por dia, diz ONU

Militares ucranianos são vistos na vila de Peski, na região de Donetsk, nesta quarta-feira (19) (Foto: Anatolii Stepanov/AFP)

Os confrontos entre rebeldes pró-Rússia e o Exército ucraniano no leste da Ucrânia mataram uma média de 13 pessoas por dia nas oito semanas após o cessar-fogo assinado em 5 de setembro, informou nesta quinta-feira (20) Zeid Ra’ad Al Hussein, alto-comissário para os Direitos Humanos.

Pelo menos 4.317 pessoas morreram e 9.921 ficaram feridas no conflito entre o meio de abril e novembro deste ano, diz o comunicado.

O documento, que cita o Serviço de Emergência do Estado Ucraniano, diz que o número de pessoas que tiveram que deixar suas casas cresceu de 275.489 em 18 de setembro para 466.829 em 19 de novembro.

FONTE: G1

China quer solucionar divergências marítimas de modo pacífico

PLAN-CSG-07

O presidente chinês, Xi Jinping, afirmou nesta segunda-feira que o país nunca utilizará a força para alcançar os objetivos e que deseja resolver de forma pacífica as disputas marítimas com os vizinhos. “Basta olhar para a história para ver que os países que tentaram desenvolver-se à força fracassaram, invariavelmente”, afirmou em um discurso no Parlamento ucraniano.

“Isto é o que a história nos ensina. A China se dedica a promover a paz. Devemos estar sempre muito alertas contra os fatores que podem nos privar da paz”, completou. Pequim mantém disputas com quatro países do sudeste asiático por pequenas ilhas no mar da China Meridional. O país também tem outra divergência no mar da China Oriental com o Japão pela soberania das ilhas Senkaku, administradas por Tóquio e reivindicadas por Pequim com o nome Diaoyu.

“Há muito tempo, a posição da China consiste em solucionar as divergências com os países envolvidos e (defender) seus interesses em termos de soberania e fronteiras marítimas pelo diálogo e com consultas”, disse o presidente chinês. “O governo chinês está disposto a reforçar o diálogo e a cooperação com os países em questão para manter a liberdade de navegação e a segurança das vias marítimas, assim como para garantir suas delimitações marítimas pacíficas”, concluiu.

FONTE: Jornal do Commercio (PE)/Da AFP

Caças Rafale atingem posições defensivas do Estado Islâmico no Iraque

foto divulgada em nota de ataque a posições do EI - imagem via Força Aérea Francesa

A Força Aérea Francesa divulgou nota sobre ataque a posições defensivas do Estado Islâmico (EI, também chamado de Daech) na região de Kirkouk, no Iraque, na noite de 18 para 19 de novembro. A foto acima foi divulgada juntamente com a nota.

O ataque realizado por dois caças Rafale armados com quatro bombas AASM atingiu um conjunto de trincheiras do EI, numa missão que foi planejada a partir de dados colhidos pela coalizão.

Segundo a nota, aeronaves aliadas também atacaram o alvo, simultaneamente, abrindo uma brecha no sistema defensivo do EI, na linha de frente entre estes e as forças iraquianas. Trata-se da mesma região em que aviões franceses apoiaram tropas iraquianas atacando alvos de oportunidade, em 14 de novembro.

Rafale mostrando pilone com três AASM - missão noturna 23-10-2014 contra EI - foto via Min Def França

FONTE / FOTO: Força Aérea Francesa

Força Aérea Brasileira vai adquirir um total de 108 caças Gripen NG

Gripen NG montagem com cores da FAB - imagem K Tokunaga - Saab

Um alto oficial da Força Aérea Brasileira confirmou que 108 caças multi-função Saab Gripen NG serão adquiridos para a força.

Após o anúncio em outubro de que um contrato de 5,8 bilhões dólares foi assinado para o primeiro lote de 36 aeronaves, um representante da força aérea confirmou à Conferência Internacional de Caça em Londres em 18 de novembro, que a encomenda total será de 108 caças. O Gripen irá inicialmente substituir caças Dassault Mirage 2000C que já foram aposentados, e, eventualmente, os Northrop F-5EM e Alenia/Embraer A-1M, que ainda estão em serviço.

“Tivemos em 2007 um estudo de viabilidade para imaginar cenários futuros”, disse o representante. “Chegaram a esse número final com base nos requisitos para o futuro.”

Os 108 aviões serão entregues em três lotes, e embora ainda não tenha sido decidido quantos destes serão monopostos e quantos serão aeronaves de dois lugares, de acordo com os termos do contrato de outubro, oito do primeiro lote de 36 serão variantes de dois lugares. O Brasil tem estado em conversações com a Marinha dos EUA em relação ao mix ideal de aeronaves de um e de dois lugares para as necessidades de força, e tem falado também com a Força Aérea Sul-Africana, que opera o Gripen.

“Nosso pessoal da força aérea está avaliando novamente o número de aviões de um e dois lugares”, acrescenta. Quinze aviões do primeiro lote serão totalmente construídos no Brasil, enquanto os outros 21 serão feitos por engenheiros brasileiros e suecos. Em conjunto com a Estratégia Nacional de Defesa do Brasil lançada em 2008, que incentivou todos os contratos de defesa a favorecer a indústria local, 80% dos contratos de aeroestruturas serão ofertado pela indústria brasileira, diz o representante.

“Estamos confortáveis em dizer agora que a transferência de tecnologia … é o que buscamos”, acrescentou. Enquanto isso, o míssil ar-ar Denel Dynamics A-Darter que será integrado aos Gripens brasileiros, receberá sua qualificação final “na próxima semana”, diz o representante. “Ele estará nos Gripens que esperamos ter em 2019.”

O Gripen também receberá o míssil Mectron MAR-1 anti-radiação de projeto local.

FONTE: www.flightglobal.com

 

Egito amplia largura de faixa de segurança na fronteira com Gaza

O Egito vai dobrar para 1 km a largura da zona de segurança que o país está abrindo na sua fronteira com a Faixa de Gaza, após a ocorrência de alguns dos piores atos de violência contra o Estado desde que o presidente Mohamed Mursi foi deposto no ano passado.

O Egito declarou estado de emergência na área de fronteira depois que pelo menos 33 agentes de segurança foram mortos no mês passado em dois ataques na Península do Sinai, uma região remota, mas estratégica, entre Israel, Gaza e o Canal de Suez.

O país também acelerou planos para criar uma faixa de segurança, até então com 500 metros de largura, na fronteira, retirando casas, árvores e destruindo túneis subterrâneos que, diz o Egito, eram usados para contrabandear armas de Gaza para militantes no Sinai.

“Foi tomada a decisão de aumentar a largura da zona de segurança ao longo da fronteira em Rafah para 1 quilômetro. A decisão se deu depois da descoberta de túneis com comprimento total de 800 a 1.000 metros”, disse a Mema, agência oficial de notícias.

Moradores do Sinai dizem que eles dependem do comércio de produtos pelos túneis para sobreviver, e a criação da zona de segurança tem gerado insatisfação.

Soldado egípcio inspeciona túnel na fronteira com Rafah, na Faixa de Gaza, no dia  de novembro (Foto: AFP PHOTO / MOHAMED EL-SHERBENY)

FONTE: G1

 

Embarcações da marinha brasileira.

Continuando a série de postagens, está aqui a lista de embarcações de meios de esquadra, que a marinha possui que são de fabricação estrangeira.

São Paulo>A-12>Porta Aviões:th

Greenhalgh>F-46>Fragata:f-46

Bosísio>F-48>Fragata:f-48

Redemaker>F-49>Fragata:f-49

Almirante Saboia>G-25>Navio de desembarque de veículos de combate:g-25

Mattoso Maia>G-28>Navio de desembarque de veículos de combate:g-28

Garcia D’Avila>G-29>Navio de desembarque de veículos de combate:g-29

Ceará>G-30>Navio de desembarque-docag-30

Cisne Branco>U-20>Países baixos:(a foto não é 100% confiável)u-20

Felinto Perry>K-11>Navio de socorro de submarino:k-11

A série vai continuar, ainda faltam todas as embarcações estrangeiras que a marinha brasileira possui.

Irã e Rússia assinam acordo para construir novos reatores nucleares

A Rússia e Irã assinaram nesta terça-feira (11) um acordo em Moscou para construir novos reatores nucleares para a central iraniana de Buchehr, com uma opção para construir mais duas, anunciaram as agências de notícias russas.

O contrato foi assinado entre a companhia Atomenergoproekt (NIAEP), uma filial da Atomstroiexport que construiu a central de Buchehr, e a companhia iraniana Nuclear Power Production and Development Company of Iran (NPPD).

FONTE: G1

%d blogueiros gostam disto: